Soluções em Nuvem

O novo contexto de data center amplia limites do hardware de um local físico para um cenário de infraestrutura digital extremamente veloz, complexa e em constante expansão. Isso exige que a TI adote uma nova abordagem de gerenciamento de infraestrutura de data center que permita:

Trabalhe de onde quiser e a qualquer hora

Com o uso contínuo de recursos em nuvem permitem a você e sua empresa possuir uma infraestrutura convergente acessível de qualquer local e com toda segurança e confiabilidade

O que as pessoas estão dizendo...

Ao questionar alguns de nossos clientes sobre nossas soluções e se estão felizes com o resultado:

Últimas notícias

Aqui você confere todas as novidades para ficar dentro do que esta acontecendo no mercado de TI e novidades em tecnologia

Como fazer uma limpeza no Chrome para liberar espaço no celular

Recurso do Chrome para Android permite a você fazer uma limpeza manual em arquivos de sites para liberar espaço no celular. Saiba como usá-lo!

Reportagem original: https://olhardigital.com.br/dicas_e_tutoriais/noticia/como-fazer-uma-limpeza-no-chrome-para-liberar-espaco-no-celular/93753

O Google Chrome já vem instalado por padrão nos celulares com o sistema Android e é a opção de muitas pessoas para acessar a internet. Assim como outros browsers, ao navegar na internet, o Chrome acaba salvando alguns arquivos no dispositivo para facilitar o acesso a sites e outras tarefas ou ações relacionadas a eles.

Por sua vez, é claro, esses arquivos passam a ocupar um espaço considerável no dispositivo após certo tempo e nem sempre é fácil localizá-los para fazer uma limpeza. A seguir, veja como fazer uma limpeza manual dos arquivos de sites no Chrome do Android para liberar espaço no celular.

Importante

É importante ressaltar que o procedimento demonstrado abaixo não oferece riscos, mas você pode perder alguns dados de navegação como um login ou uma preferência salva para determinado site. A função utilizada no processo abaixo não está presente na versão do navegador para iOS (sistema do iPhone).

Como fazer a limpeza dos arquivos de sites no Google Chrome do Android

A limpeza manual do cache do Chrome é feita de forma bem simples, sendo realizada dentro do próprio aplicativo, mas a função fica um pouco escondida. Confira:

1. Abra o Google Chrome normalmente e toque no ícone representado por “três pontos”

Reprodução

Entre em “Configurações”, deslize a tela para baixo e, então, clique em “Configurações do site”;

Reprodução

Mais uma vez, deslize a tela para baixo e, agora, entre em “Armazenamento”

Reprodução

Toque em “Limpar armazenamento de site” e, na mensagem que surge, clique em “Limpar”

Reprodução

Se preferir remover os dados de apenas um site, toque nele na lista, selecione a opção “Limpar e redefinir”

Reprodução

Em nosso teste, ao fazer uma limpeza desses sites foi possível liberar 1GB de espaço em nosso aparelho, mas esse tamanho pode variar de acordo com o tempo que você usa o navegador. Após realizar o procedimento, você não deverá notar nenhuma mudança no Chrome, apenas o espaço disponível no aparelho estará maior.

Pronto! Agora, você já sabe como eliminar alguns dados de navegação de sites do Chrome de forma manual para liberar espaço no seu celular com o Android.

Como habilitar a nova função do Chrome para poupar memória RAM

Reportagem original: https://olhardigital.com.br/dicas_e_tutoriais/noticia/como-habilitar-a-nova-funcao-do-chrome-para-poupar-memoria-ram/91535

Nova função para ‘congelar abas’ do Google Chrome pode fazer o navegador consumir menos memória RAM. Saiba como habilitá-la!

O Google Chrome é um dos navegadores mais utilizados no mundo, possuindo versões para computadores e Celular Smart. Apesar de sua popularidade, algo que desagrada seus usuários é o alto consumo de memória RAM, que acaba deixando os computadores lentos ou com travamentos, principalmente computadores mais antigos.

Para mudar a situação, o Google está implementando no navegador um novo recurso, que ajuda a poupar o consumo de memória RAM ao congelar abas, mas ele não vem habilitado por padrão. A seguir, veja como habilitar o novo recurso do Chrome para ele consumir menos memória RAM.

Importante

Esta nova função do Google Chrome, por enquanto, só está disponível na versão Canary do navegador, que é destinada para testes e desenvolvedores. Assim, por estar constantemente em desenvolvimento, esta versão do browser pode apresentar instabilidades.

A instalação do Google Chrome Canary não interfere no uso do navegador em sua versão normal, ou seja, você pode utilizar os dois browsers separadamente.

Como habilitar a função do Chrome para diminuir o consumo de memória RAM

Para diminuir o consumo de memória RAM, este recurso faz com que as abas que não estejam em uso sejam congeladas, ou seja, apenas o site que você está visualizando continua sendo atualizado ou recarregado em tempo real, enquanto as outras abas só farão este processo quando voltarem a serem abertas. Confira como habilitar o congelamento de abas do Chrome:

Acesse o site oficial do Google Chrome Canary e realize o seu download. Caso já tenha ele instalado, basta atualizá-lo para a sua última versão;

Reprodução

Acesse o seguinte endereço: chrome:\\flags

Reprodução

Procure por “Tab freeze” na parte de buscas da página aberta

Reprodução

Mude o seu valor padrão para “Enabled”

Reprodução

Na mensagem que aparece, clique em “Relaunch”

Reprodução

A partir deste momento, toda vez que uma aba não for aberta por 5 minutos, ela será congelada e não terá atualizações, o que diminui o consumo de memória RAM. Caso você não goste do resultado do novo recurso, basta seguir novamente o passo a passo descrito acima deixando o valor de “Tab freeze” em “Disabled”.

Reprodução

Pronto! Agora, você já sabe como habilitar o novo recurso do Chrome para evitar o seu alto consumo de memória RAM ao deixar muitas abas abertas.

Para que servia o botão turbo nos computadores antigos?

A tecnologia é algo que evolui a passos assustadoramente rápidos. Isso é muito bom, claro, pois nós podemos desfrutar dessas evoluções nas mais diferentes esferas, como os smartphones, games, gadgets, automóveis e, claro, os computadores, o centro de tudo quando falamos de tecnologia.

Tamanho dinamismo e renovação acabam por deixar algumas coisas ou funções que passam desapercebidas. Seja em um telefone fixo, seja em uma CPU, sempre tinha um botãozinho que nós não fazíamos a menor ideia do que poderia fazer por nós. E o pior, tamanho era o receio, que nem ousávamos apertar tais botões. Um desses nossos amiguinhos que metiam medo era o botão “turbo”, muito comum nos computadores dos anos 90.

Para os mais desentendidos ou esquecidos, logo deve vir à cabeça: “caramba, um botão que aumentava a velocidade e a capacidade do PC? Como não fazem isso hoje?” A resposta é simples: não fazem isso porque a função deste botão era justamente a oposta. Surpreso? Não tem problema, a gente explica.

Um turbo que desacelera

As máquinas mais antigas tinham um clock bem diferente das de hoje. Nos tempos atuais, os programas se adaptam melhor às evoluções apresentadas pelos processadores, não sendo necessário que nenhum tipo de artifício externo seja usado para dar uma “acalmada” na máquina.

Então, basicamente, o botão turbo fazia com que a velocidade do seu computador fosse reduzida para que alguns programas e jogos pudessem funcionar em seu ritmo normal. “O botão ‘turbo’ das CPUs antigas passava uma percepção de maior valor para o consumidor e eram colocados para ajustar o clock do processador de acordo com a necessidade dos aplicativos”, explica Elton John Bonfim, especialista de Produtos da Positivo, em entrevista ao Canaltech.

“Os primeiros programadores de computadores usavam o clock do processador para medir o tempo de execução de cada programa e isso foi o padrão por muito tempo. Para se ter uma ideia, os processadores Intel daquela época trabalhavam próximo dos 4MHz, ou seja, tudo era feito pensando nesta velocidade, neste padrão de tempo de reação”, explica Iuri Santos, gerente de tecnologia da Kingston e da HyperX no Brasil, em entrevista à nossa reportagem. A máquina com 4Mhz em questão era equipada com o processador Intel 486, que foi, basicamente, a primeira CPU com botão turbo.

Com o tempo, os processadores foram aumentando de velocidade, indo para 8, 12, 20, 25 MHz, mas os programas e jogos não acompanhavam essa evolução e desenvolvimento do hardware. E é aí que o botão turbo entrava. “A chave do turbo era física mesmo, acoplada à placa mãe. Ao apertá-la, você interrompia a frequência de operação dos processadores para que eles ficassem na velocidade do programa ou do game em questão, que era na faixa dos 4MHz”, explica Santos.

Pentium MMX: ao apertar o turbo, as máquinas ficavam mais lentas. Acredite se quiser

Pode parecer controverso, mas, com o botão turbo apertado, o PC ficava mais anestesiado e “enganava”, por assim dizer, os aplicativos que precisavam de muito menos poder para rodar com perfeição nos PCs mais avançados. As últimas máquinas que vieram com esse botão foram os saudosos Pentium MMX, lançados em 1996, e que chegavam a ter velocidades de mais de 200 MHz.

Como ele saiu?

Aos poucos, o mercado foi percebendo que era complicado demais ter programas que rodavam em processadores específicos. Isso sem falar que nem todas as máquinas daquele tempo tinham o botão turbo.

Por isso, logo as empresas começaram a fazer processadores que tinham essa desaceleração de maneira nativa, sem a necessidade de um botão físico ligado à placa-mãe. Com isso, os PCs ficaram mais populares e fáceis de serem programados, pois essa simulação para diminuir o poder da máquina era feita por meio de software. “Hoje os computadores não possuem mais isso ligado à placa-mãe porque se trata de algo a parte. Ou seja, não está preso na velocidade de processamento do chipset”, complementa Santos.

“Hoje, o próprio processador gerencia a carga de trabalho e aumenta a frequência conforme a necessidade de processamento. É o chamado ‘Turbo Boost’ que alguns processadores possuem”, explica Bonfim.

Se o botão turbo existisse hoje, com certeza ele não funcionaria da mesma maneira que tempos atrás. A razão é muito simples: os processadores ficaram tão rápidos, que seria quase impossível abaixar o clock de 2GHz, por exemplo, para os longínquos 4MHz.

Os programas e jogos atuais já são feitos pensando justamente no poderio das máquinas que temos no mercado, e isso vale também para dispositivos mobile. As placas de vídeo e boosters que também existem no segmento, ao contrário do nosso botão turbo antigo, servem, aí sim, para acelerarem todo o processo e darem aquele empurrãozinho quando queremos jogar alguma coisa mais pesada ou fazer aquela edição de imagem ou vídeo que exige muito da CPU.

E aí, amigo leitor? Vocês ainda têm por aí uma CPU com este botão turbo? Se tiverem, mandem uma foto para gente! Caso tenham alguma história do uso deste botão, deixem nos comentários também!

Conheça nossa Equipe

Bruno d´Anna

Bruno d´Anna

Diretor de TI
Sarah Culan

Sarah Culan

Developer
Chao Kang

Chao Kang

Developer
Megan Sheryl

Megan Sheryl

Developer

Produtos em destaque

Produtos e soluções para atender seus negócios

Conheça nossos clientes

Oferecemos as melhores soluções em TI para atender as necessidades de seus negócios

Suporte rápido pelo Telefone: (11) 4232-3608,   Pelo Zap: