Para que servia o botão turbo nos computadores antigos?

A tecnologia é algo que evolui a passos assustadoramente rápidos. Isso é muito bom, claro, pois nós podemos desfrutar dessas evoluções nas mais diferentes esferas, como os smartphones, games, gadgets, automóveis e, claro, os computadores, o centro de tudo quando falamos de tecnologia.

Tamanho dinamismo e renovação acabam por deixar algumas coisas ou funções que passam desapercebidas. Seja em um telefone fixo, seja em uma CPU, sempre tinha um botãozinho que nós não fazíamos a menor ideia do que poderia fazer por nós. E o pior, tamanho era o receio, que nem ousávamos apertar tais botões. Um desses nossos amiguinhos que metiam medo era o botão “turbo”, muito comum nos computadores dos anos 90.

Para os mais desentendidos ou esquecidos, logo deve vir à cabeça: “caramba, um botão que aumentava a velocidade e a capacidade do PC? Como não fazem isso hoje?” A resposta é simples: não fazem isso porque a função deste botão era justamente a oposta. Surpreso? Não tem problema, a gente explica.

Um turbo que desacelera

As máquinas mais antigas tinham um clock bem diferente das de hoje. Nos tempos atuais, os programas se adaptam melhor às evoluções apresentadas pelos processadores, não sendo necessário que nenhum tipo de artifício externo seja usado para dar uma “acalmada” na máquina.

Então, basicamente, o botão turbo fazia com que a velocidade do seu computador fosse reduzida para que alguns programas e jogos pudessem funcionar em seu ritmo normal. “O botão ‘turbo’ das CPUs antigas passava uma percepção de maior valor para o consumidor e eram colocados para ajustar o clock do processador de acordo com a necessidade dos aplicativos”, explica Elton John Bonfim, especialista de Produtos da Positivo, em entrevista ao Canaltech.

“Os primeiros programadores de computadores usavam o clock do processador para medir o tempo de execução de cada programa e isso foi o padrão por muito tempo. Para se ter uma ideia, os processadores Intel daquela época trabalhavam próximo dos 4MHz, ou seja, tudo era feito pensando nesta velocidade, neste padrão de tempo de reação”, explica Iuri Santos, gerente de tecnologia da Kingston e da HyperX no Brasil, em entrevista à nossa reportagem. A máquina com 4Mhz em questão era equipada com o processador Intel 486, que foi, basicamente, a primeira CPU com botão turbo.

Com o tempo, os processadores foram aumentando de velocidade, indo para 8, 12, 20, 25 MHz, mas os programas e jogos não acompanhavam essa evolução e desenvolvimento do hardware. E é aí que o botão turbo entrava. “A chave do turbo era física mesmo, acoplada à placa mãe. Ao apertá-la, você interrompia a frequência de operação dos processadores para que eles ficassem na velocidade do programa ou do game em questão, que era na faixa dos 4MHz”, explica Santos.

Pentium MMX: ao apertar o turbo, as máquinas ficavam mais lentas. Acredite se quiser

Pode parecer controverso, mas, com o botão turbo apertado, o PC ficava mais anestesiado e “enganava”, por assim dizer, os aplicativos que precisavam de muito menos poder para rodar com perfeição nos PCs mais avançados. As últimas máquinas que vieram com esse botão foram os saudosos Pentium MMX, lançados em 1996, e que chegavam a ter velocidades de mais de 200 MHz.

Como ele saiu?

Aos poucos, o mercado foi percebendo que era complicado demais ter programas que rodavam em processadores específicos. Isso sem falar que nem todas as máquinas daquele tempo tinham o botão turbo.

Por isso, logo as empresas começaram a fazer processadores que tinham essa desaceleração de maneira nativa, sem a necessidade de um botão físico ligado à placa-mãe. Com isso, os PCs ficaram mais populares e fáceis de serem programados, pois essa simulação para diminuir o poder da máquina era feita por meio de software. “Hoje os computadores não possuem mais isso ligado à placa-mãe porque se trata de algo a parte. Ou seja, não está preso na velocidade de processamento do chipset”, complementa Santos.

“Hoje, o próprio processador gerencia a carga de trabalho e aumenta a frequência conforme a necessidade de processamento. É o chamado ‘Turbo Boost’ que alguns processadores possuem”, explica Bonfim.

Se o botão turbo existisse hoje, com certeza ele não funcionaria da mesma maneira que tempos atrás. A razão é muito simples: os processadores ficaram tão rápidos, que seria quase impossível abaixar o clock de 2GHz, por exemplo, para os longínquos 4MHz.

Os programas e jogos atuais já são feitos pensando justamente no poderio das máquinas que temos no mercado, e isso vale também para dispositivos mobile. As placas de vídeo e boosters que também existem no segmento, ao contrário do nosso botão turbo antigo, servem, aí sim, para acelerarem todo o processo e darem aquele empurrãozinho quando queremos jogar alguma coisa mais pesada ou fazer aquela edição de imagem ou vídeo que exige muito da CPU.

E aí, amigo leitor? Vocês ainda têm por aí uma CPU com este botão turbo? Se tiverem, mandem uma foto para gente! Caso tenham alguma história do uso deste botão, deixem nos comentários também!

Procon aplica multa milionária à Apple e Google por FaceApp

Procon aplica multa milionária à Apple e Google por FaceApp

Google terá que pagar quase R$ 10 milhões, e Apple, R$ 7,7 milhões, por aplicativo que envelhece o rosto de usuários

Procon-SP multou as empresas Apple e Google por desrespeito às regras previstas no Código de Defesa do Consumidor (CDC) enquanto papel de fornecedoras autorizadas em suas respectivas plataformas, do aplicativo FaceApp, que possuía filtros para envelhecer o rosto dos usuários e se tornou febre no Brasil recentemente. 

As multas para as gigantes são milionárias. Google deverá pagar, segundo a Fundação, R$ 9.964.615,77 (valor máximo estipulado), e a Apple, R$ 7.744.320,00. Ambas poderão recorrer da decisão. 

Em comunicado oficial enviado ao Olhar Digital, o Google informa que: Seguindo a filosofia do sistema operacional Android, a Google Play é uma loja virtual aberta na qual o próprio Google e terceiros podem disponibilizar aplicativos e jogos, que podem ser baixados por usuários para serem utilizados em seus celulares. O Marco Civil da Internet e o próprio Código de Defesa do Consumidor dispõem que as lojas virtuais não devem ser responsabilizadas pelas práticas e políticas de aplicativos de terceiros, por isso, tomaremos as medidas necessárias para questionar a multa imposta pelo Procon“.

A Apple Computer Brasil Ltda. informou que não vão comentar sobre o assunto. 

As penalidades aplicadas se referem ao ferimento da “Política de Privacidade” e “Termos de Uso“. De acordo com o órgão de defesa do consumidor, as empresas que possuem responsabilidade sobre dados essenciais dos produtos e serviços que ofertam, não disponibilizaram informações em português. Recentemente, o assunto esteve em pauta no  Olhar Digital News, que trouxe o advogado e consultor da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) Leandro Alvarenga para falar sobre assunto

Segundo o diretor da Fundação Procon-SP, os valores das multas são distintas por serem estipuladas de acordo com o faturamento de cada empresa. O aplicativo russo FaceApp não foi penalizado por não possuir representação jurídica no Brasil. 

Proteção de Dados

No mês passado, as gigantes da tecnologia e o próprio aplicativo russo já tinham sido notificados pelo Procon-SP. O mesmo app de filtros, aliás, já estava sendo investigado na Europa por questões ligadas à privacidade e coleta de dados (GDPR), segundo Alvarenga.

No Brasil, as questões desrespeitadas segundo o Procon-SP, que ainda não serão submetidas às regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), prevista para vigorar em agosto de 2020, acabam sendo julgadas com base em leis mais genéricas, como o Código de Defesa do Consumidor, o Código Civil ou o Marco Civil da Internet, de acordo com o especialista em Direito Digital Renato Blum.

Recurso

Google e Apple poderão recorrer em duas instâncias administrativas sobre as multas aplicadas, segundo o órgão. Além do direito de defesa, elas poderão recorrer judicialmente dessas multas ou mesmo quitá-las, com direito a 30% de desconto, caso o pagamento se dê à vista.

Reportagem original: https://olhardigital.com.br/noticia/procon-aplica-multa-milionaria-a-apple-e-google-por-faceapp/89772

Engenheiro da Netflix descobre falhas de segurança no Linux

Engenheiro da Netflix descobre falhas de segurança no Linux

SACK Panic foi uma das vulnerabilidades encontradas por Jonathan Looney

Vários servidores, sistemas Linux e FreeBSD possuem uma vulnerabilidade de negação de serviço chamada SACK Panic. A descoberta foi feita por Jonathan Looney, engenheiro da Netflix Information Security. 

Além desta, outras brechas foram identificadas por Looney. Segundo o especialista,  uma série de pacotes maliciosos enviados para o sistema vulnerável é suficiente para travá-lo ou atrasá-lo — originando uma pane no kernel, que é disparada remotamente. Para proteger o sistema, patches de soluções foram liberados.

As três falhas estão relacionadas entre si e dizem respeito à maneira como o kernel do Linux lida com a rede TCP — um conjunto de protocolos de comunicação entre computadores em rede. O SACK Panic foi descrito pela Red Hat, empresa que disponibiliza soluções baseadas no no GNU/Linux, como o “mais grave” do trio. A empresa alertou que essa vulnerabilidade específica “pode permitir que um ataque remoto cause uma pane no kernel, em sistemas que executam o software afetado e, como resultado, afetem a disponibilidade do sistema”.

O SACK Panic foi atribuído ao  código CVE-2019-11477  e sua gravidade é classificada como “Importante”, enquanto as falhas relacionadas, de nomenclaturas CVE-2019-11478  e  CVE-2019-11479, ganharam a etiqueta de  “Moderadas”.

A vulnerabilidade mais séria afeta o Red Hat, o Debian, o Ubuntu, o Amazon Web Services e o SUSE, com kernels Linux 2.6.29 ou posteriores.

Patches estão disponíveis para os sistemas afetados e uma solução alternativa também foi sugerida. Definindo linha de comando “/ proc / sys / net / ipv4 / tcp_sack” como 0, o processamento de SACK é desativado.

Mais detalhes estão disponíveis no comunicado de segurança publicado no GitHub. Red Hat, Amazon Web Services, SUSE e Debian também compartilharam recursos e informações úteis para a correção do problema em dose tripla.

saiba mais sobre estas falhas nos links relacionados ao fabricante:

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11477

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11478

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11479

https://github.com/Netflix/security-bulletins/blob/master/advisories/third-party/2019-001.md

https://aws.amazon.com/pt/security/security-bulletins/AWS-2019-005/

https://security-tracker.debian.org/tracker/CVE-2019-11477

As 4 melhores distribuições Linux para você reparar problemas do seu PC com Windows

Conheça quais são as melhores distribuições Linux para você corrigir os erros e recuperar arquivos de um PC com problemas

A maioria das pessoas utiliza em seu computador o Windows para realizar diversas tarefas do dia a dia, tanto para trabalho quanto para lazer. Apesar do sistema operacional da Microsoft ter passado por diversas melhorias, nunca se sabe quando você terá um problema causado por ele ou por conta de seu hardware.

Se por algum motivo você acabou preso fora do sistema, uma boa alternativa para tentar arrumá-lo ou ao menos para recuperar os seus arquivos consiste em utilizar uma distribuição Linux, que pode ser executada a partir de um pendrive. A seguir, confira esta lista elaborada pela Compuword com quatro distribuições Linux para arrumar o seu PC.

Rescatux

Uma distribuição bem popular para o reparo de computadores fica por conta do Rescatux. Através dela, você consegue resolver diversos problemas relacionados ao boot do sistema, como algum parâmetro que não deixe o Windows ou outra distribuição Linux ser iniciada.

Reprodução

O Rescatux é um cd de resgate do GNU / Linux (e eventualmente também o Windows), mas não é como outros discos de resgate. O Rescatux vem com o Rescapp. Rescapp é um bom assistente que irá guiá-lo através de suas tarefas de resgate .

Clonezilla Live

A segunda opção desta lista é uma distribuição para quem quer estar prevenido de erros. Sendo uma distribuição que roda do pendrive, com ela você pode criar uma cópia perfeita de seu HD, que poderá ser utilizada para restaurá-lo quando acontecer um problema.

Reprodução

O seu único ponto negativo fica por conta de sua interface, que como pode ser visto nas imagens acima, é utilizada via comandos de texto.

SystemRescueCD

A distribuição mais popular para reparar computadores fica por conta do SystemRescueCD e não é à toa. Essa distro acaba trazendo ferramentas úteis para reparticionar HDs e até para recuperar arquivos de drives danificados.

Reprodução

Além deles, dentro de seu pacote estão incluídos alguns programas úteis como um navegador, que é claro, pode ser utilizado para fazer a busca pelo erro que está impedindo você de utilizar o seu computador.

Trinity Rescue Kit

A última opção desta lista, assim como o SystemRescueCD, também traz uma seleção generosa de ferramentas para reparar máquina que estejam com problemas no Windows. Através dela, é possível realizar o reset de senhas e até mesmo rodar antivírus para remover ameaças que entraram em seu sistema.

Reprodução

Apesar de contar com tantas ferramentas, assim como outras ferramentas exibidas aqui, o seu contra é a sua utilização, já que a sua interface é toda feita em texto.

Huawei confirma que pode lançar seu próprio sistema operacional ainda em 2019

Depois de rumores indicarem que a Huawei já tinha um“plano B” para seus equipamentos prevendo a colocação na “lista negra” dos Estados Unidos que aconteceu no fim da semana e que impedem a empresa de utilizar o sistema Android com todas as funcionalidades em seus smartphones, a empresa finalmente oficializou aquilo que todos já esperavam.

Nesta quinta-feira (23) o chefe da divisão de relacionamento com o consumidor da Huawei, Richard Yu, confirmou que a empresa já tem mesmo um sistema operacional capaz de substituir tanto o Android nos smartphones quanto o Windows nos laptops, e que ele estaria pronto para ser disponibilizado ao público ainda este ano.

Caso a Huawei não consiga chegar a um acordo com o governo dos Estados Unidos para continuar utilizando os sistemas operacionais da Google e da Microsoft, Yu confirmou que a empresa já possui seu próprio sistema operacional para substituir os atualmente utilizados. Esse sistema operacional da Huawei já estaria pronto para ser utilizado em smartphones e computadores da China até o final deste ano, e seria disponibilizado mundialmente no primeiro semestre de 2020.

Yu garante que, no momento, a Huawei está comprometida em continuar utilizando o Android e a Windows como o SO de seus equipamentos, e até prefere continuar utilizando-o no futuro, garantindo que a troca para o sistema proprietário da empresa só será efetuada caso o governo dos Estados Unidos a impeça de continuar utilizando esses programas de empresas americanas.

Google pode perder quase 1 bilhão de usuários se Huawei abandonar o uso do Android

Desde que o presidente dos Estados Unidos assinou o documento que proíbe a Huawei de negociar com empresas do país, uma grande aura de incerteza paira sobre o futuro da companhia chinesa. E uma das incertezas principais é sobre o sistema operacional dos smartphones da companhia, que historicamente sempre utilizaram o Android, mas, como a empresa responsável pelo sistema (a Google) tem sua sede nos Estados Unidos, há a possibilidade de os próximos aparelhos da Huawei não utilizarem mais o Android, mas sim um sistema operacional próprio.

A impossibilidade de lançar seus smartphones com o sistema Android será um problema para a Huawei mas, de acordo com o CEO da empresa, Ren Zhengfei, a Google também deverá sofrer muito com essa decisão do presidente Trump. Em entrevista para a CNBC, ele revelou que, caso a empresa seja mesmo obrigada a parar de utilizar o sistema Android em seus aparelhos, a Google deverá perder cerca de 800 milhões de usuários de uma hora para a outra, o que irá impactar em muito os negócios da companhia dos Estados Unidos.

Afinal, não podemos esquecer que a Huawei é, hoje, a segunda maior fabricante de smartphones do mundo — e caminhando para se tornar a maior. Mesmo que, num primeiro momento, esses números pareçam inflacionados, é preciso lembrar que apenas neste ano (considerando dados de até maio) a Huawei já vendeu cerca 100 milhões de smartphones ao redor do mundo, e a meta é de terminar 2019 com pelo menos 250 milhões de aparelhos vendidos.

Considerando que a empresa já vem mantendo número nesta faixa nos últimos cinco anos, e que a guerra fiscal entre os Estados Unidos e a China tem sido a melhor campanha de marketing para a empresa e aumentado a procura dela no país natal (que é, por coincidência, o maior mercado de smartphones do mundo), mesmo que os números de Zhengfei estejam inflados, as siglas reais do número de usuários perdidos não serão tão diferentes dos levantados pelo CEO.

Ainda que o bloqueio pareça estar perdendo força — com não apenas membros do gabinete do presidente mas também empresas como a Qualcomm, a Intel e a própria Google pressionando o governo sobre os efeitos negativos que este bloqueio poderá gerar para a economia do país —, a Huawei já avisou que está preparada para se adequar a um mercado onde não poderá negociar com empresas americanas, e já possui um sistema operacional próprio pronto para ser lançado ainda este ano na China — e no começo de 2020 no resto do mundo.

Ao assinar o bloqueio, Trump mostrou um mais uma vez desconhecimento sobre como funciona uma economia realmente global, onde é impossível cortar relações com uma das maiores empresas do mundo sem gerar problemas para o próprio futuro econômico do país. E, se ele não voltar atrás no banimento da Huawei, essa decisão poderá acabar coroando o seu governo como aquele que, ao tentar mostrar os Estados Unidos como superiores aos seus adversários econômicos, acabou por provar como a economia do país é dependente do resto do mundo.

Fonte: CNBC