Nova Politica de Privacidade do WhatsAPP

Nova Politica de Privacidade do WhatsAPP

Tire suas dúvidas sobre a Política de Privacidade do WhatsApp

Com a recente atualização da nossa Política de Privacidade, recebemos muitas perguntas às quais gostaríamos de responder para evitar a disseminação de notícias incorretas e rumores. Além disso, gostaríamos de reiterar que não medimos esforços para ajudar as pessoas a se comunicarem com privacidade por meio do WhatsApp.

Queremos esclarecer que a atualização da Política de Privacidade não afeta, de forma alguma, a privacidade das mensagens que você troca com seus amigos e familiares. As mudanças nessa atualização são relacionadas aos recursos comerciais e opcionais do WhatsApp, e fornecem mais transparência sobre como nós coletamos e usamos esses dados. Saiba mais sobre os novos recursos comerciais e a atualização da Política de Privacidade do WhatsApp neste artigo.

COMPARTILHAR NO WHATSAPP

A privacidade e a segurança das suas mensagens pessoais

Não podemos ler suas mensagens pessoais nem ouvir suas chamadas no WhatsApp: o WhatsApp e o Facebook não podem ler suas mensagens nem ouvir suas chamadas com colegas de trabalho, amigos e familiares. Tudo que você compartilha fica só entre você e os participantes das conversas. Suas mensagens pessoais são protegidas com a criptografia de ponta a ponta, e jamais enfraqueceremos essa tecnologia de segurança. Além disso, continuaremos exibindo um aviso sobre essa proteção em cada conversa para que você tenha certeza do nosso compromisso. Saiba mais sobre a segurança do WhatsApp em nosso site.

Não mantemos registro das pessoas para as quais você ligou ou enviou mensagens: normalmente, empresas e operadoras de telefonia mantêm esses dados, mas nós acreditamos que manter os registros de dois bilhões de usuários seria um risco de privacidade e segurança. Por isso, não o fazemos.

O WhatsApp e o Facebook não podem ver a localização que você compartilha: quando você compartilha sua localização com alguém no WhatsApp, ela é protegida pela criptografia de ponta a ponta. Assim, somente as pessoas com as quais você compartilhou sua localização podem vê-la e ninguém mais.

O WhatsApp não compartilha seus contatos com o Facebook: quando você nos dá permissão, nós acessamos somente os números de telefone da sua agenda para tornar a troca de mensagens mais rápida e confiável. Nós não compartilhamos sua lista de contatos com os outros apps do Facebook.

As conversas em grupo continuam privadas: nós utilizamos as informações de participação dos grupos para entregar as mensagens aos participantes dos grupos e proteger nossos serviços de abusos e mensagens indesejadas (spam). Nós não compartilhamos esses dados com o Facebook para o propósito de exibir anúncios. Reiteramos que as conversas pessoais são protegidas com a criptografia de ponta a ponta e, portanto, não podemos ler nem ouvi-las.

Você pode utilizar as mensagens temporárias: para ter mais privacidade, você tem a opção de utilizar o recurso de mensagens temporárias para enviar mensagens que desaparecem das conversas após 7 dias da data do envio. Saiba mais na nossa Central de Ajuda.

Você pode baixar seus dados: para saber quais informações nós mantemos sobre sua conta, você pode baixar um relatório com todas as informações diretamente do app do WhatsApp. Saiba mais neste artigo.

Mensagens para empresas e como trabalhamos com o Facebook

Diariamente, milhões de pessoas em todo o mundo se comunicam de forma segura com empresas de todos os tamanhos por meio do WhatsApp. Se você escolher conversar com uma empresa, queremos que essa comunicação seja fácil e cada vez melhor. No WhatsApp, sempre informaremos, de maneira clara, quando você estiver conversando com alguma empresa que utiliza nossos recursos comerciais.

Serviços de hospedagem do Facebook: as conversas com empresas são diferentes das conversas com amigos e familiares. Algumas empresas de grande porte precisam utilizar serviços de hospedagem para gerenciar as comunicações com seus clientes. Por isso, oferecemos às empresas a opção de utilizar os serviços seguros de hospedagem do Facebook para gerenciar as conversas com seus clientes no WhatsApp, responder a perguntas e enviar informações úteis, como recibos de compra. Porém, o conteúdo da sua conversa (seja por telefone, e-mail ou WhatsApp) pode ser visto/lido pela empresa, e algumas informações compartilhadas na conversa podem ser utilizadas pela própria empresa para fins de marketing, inclusive para fazer publicidade no Facebook. Para ter certeza de que você está ciente dessas situações, nós informaremos claramente na conversa se uma empresa optou por utilizar os serviços de hospedagem do Facebook.

Descobrir outras empresas: você poderá ver um anúncio no Facebook com um botão para enviar mensagens para uma empresa por meio do WhatsApp. Se você tiver o WhatsApp instalado no seu celular, será possível enviar mensagens diretamente para essa empresa. O Facebook, por sua vez, poderá utilizar os dados de como você interage com esses anúncios para personalizar os anúncios que você verá no futuro.

Pagamentos no WhatsApp: os pagamentos processados pela Interface de Pagamento Unificada (UPI, na sigla em inglês) do WhatsApp têm uma Política de Privacidade específica que não será afetada por essa atualização.

3 dicas para diminuir os travamentos do Chrome no Windows 10

3 dicas para diminuir os travamentos do Chrome no Windows 10

A atualização de maio do Windows 10 está fazendo com que o navegador Google Chrome trave mais em alguns computadores. Confira algumas dicas para amenizar este problema!

O Google Chrome é um dos navegadores mais utilizados nos computadores para acessar a internet devido aos seus inúmeros recursos. Por sua vez, quem já realizou a atualização de maio de 2020 do Windows 10 pode ter notado que o browser do Google na versão estável e canary começou a travar com bastante frequência na hora de navegar pela internet.

O problema em questão já foi reconhecido pelo Google, que ainda está trabalhando em uma atualização para poder solucioná-lo. Ainda assim, para não ter que esperar por este update, existem alguns procedimentos sugeridos pelo Google que podem amenizar estes travamentos do Chrome na última versão do Windows 10. Confira!

Limpar os dados de navegação

Apesar de o problema poder ocorrer a qualquer momento no navegador, muitas vezes isso está relacionado aos dados de navegação que são armazenados por ele na hora de acessar sites. Assim, uma simples limpeza destes dados pode ser a solução mais simples para o seu caso.

Antes de seguir este passo a passo, vale lembrar, ele apagará o histórico e outros dados que podem ser importantes para você. Veja como fazer esta limpeza:

1. Abra o navegador Google Chrome normalmente

2. Na sua tela principal, clique no ícone representado por “três pontos” e vá em “Configurações”

3. Em “Privacidade e Segurança”, clique em “Limpar dados de navegação”

Reprodução

4. Selecione a guia “Avançado”, selecione a opção “Todo o período”, marque todas as caixinhas e clique em “Limpar dados”.

Reprodução

Quem preferir, também pode acessar o menu para limpar os dados de navegação mais rapidamente ao apertar junto as teclas “Ctrl + Shift + Delete”.

Desabilite ou remova as extensões

As extensões do Google Chrome são amplamente utilizadas no navegador para adicionar novas funções em sites, como no WhatsApp Web. Por sua vez, apesar de serem bem úteis, elas são uma das maiores responsáveis por travamentos do navegador e desabilitar alguns destes complementos pode solucionar boa parte deles. Confira como é o processo para isto:

1. Abra o navegador Google Chrome normalmente;

2. Clique no ícone representado por “três pontos” e vá em “Configurações”;

3. Na tela aberta, vá em “Extensões”;

Reprodução

4. Agora, basta clicar em “Remover” nos complementos que serão desinstalados. Caso prefira, você também pode apenas “desabilitá-los” ao desmarcar a sua chavinha.

Reprodução

Restaurar as configurações padrões do Chrome

Se as duas soluções acima ainda não foram o suficiente para fazer o Chrome voltar ao normal, então, existe a possibilidade de resetar todas as configurações do navegador, o que recomendamos apenas em último caso. Segue o passo a passo:

1. Abra o navegador Google Chrome normalmente;

2. Clique no ícone representado por “três pontos” e vá em “Configurações”;

Reprodução

3. Expanda o menu “Avançado” e clique em “Redefinir e limpar”;

Reprodução

4. Na nova tela, vá em “Restaurar configurações para os padrões originais”;

Reprodução

5. Já na mensagem que surge, clique em “Redefinir configurações”.

Reprodução

Pronto! Com estas dicas, você deve conseguir ao menos amenizar um pouco dos travamentos do Chrome que ocorrem com a última atualização do Windows.

Covid-19: Ministério erra primeira divulgação; Brasil tem 2.575 mortos

Covid-19: Ministério erra primeira divulgação; Brasil tem 2.575 mortos

A taxa de letalidade é de 6,3%; número de casos confirmados chega a 40.581 no país

Segundo reportagem veiculada pelo site olhar digital:

[Atualização] O Ministério da Saúde atualizou, nesta segunda-feira (20), o número de casos confirmados e mortos causados pela pandemia do novo coronavírus no Brasil. Até o momento, são 2.575 óbitos registrados e 40.581 casos confirmados. A taxa de letalidade da doença é de 6,3%

Em 24 horas, 113 novos óbitos foram registrados. Um pouco mais cedo, o Ministério havia dito que o número de mortes no período era de 383 mortos. Mas voltou atrás e explicou que, por um erro de digitação, divulgou a informação incorreta.

Do total de óbitos decorrentes da doença, São Paulo bateu a marca de mil óbitos, com 1.307 registros em todo o estado, além de 14.580 casos confirmados. Em segundo lugar está o Rio de Janeiro, com 422 mortes e 4.899 casos.

Reprodução

Quarentena estendida

A fim de conter o avanço da doença, o governo de São Paulo ampliou a quarentena no estado até o dia 10 de maio. Segundo o governador João Doria, “Nenhuma aglomeração de nenhuma espécie em nenhuma cidade ou área do estado de São Paulo será admitida. As Guardas Municipais ou Metropolitanas deverão agir”, afirmou.

Situação no mundo

O novo coronavírus já infectou mais de 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo, um marco alcançado apenas cinco meses depois de ter surgido na cidade chinesa de Wuhan. O número de pessoas mortas pela doença superou a marca de 167 mil mundialmente. Mais de 639 mil pessoas se recuperaram da doença.

Impacto regulatório

A InteliGov, startup de monitoramento parlamentar, criou um site com monitoramento automático e parametrizado do Diário Oficial da União e do Legislativo (federal, estadual e municipal) em tempos de crise. Nele, é possível ver todas as menções à Covid-19 no Diário Oficial da União (DOU).

Pioneira na automação do monitoramento de informações governamentais, a InteliGov usa sua tecnologia para atualizar automaticamente as informações a cada hora, no caso do DOU, e diariamente, quanto às iniciativas do Legislativo.

Todo material disponível é gratuito, e dividido em duas categorias: ‘publicações na imprensa oficial’ e ‘proposições legislativas’.

Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:

Novos horários de funcionamento por conta da COVID-19

Novos horários de funcionamento por conta da COVID-19

Devido a pandemia nosso horário de funcionamento tem seguido as regras e sugestões da Guarda civil de são caetano do sul

Segue nossa tabela de horários vigentes atualmente:

Segunda à Sexta feira – das 8:30 as 17:30 hrs

Não estamos abertos aos sábados, domingos e feriados

Trabalhamos com suportes remotos e fornecimento de peças e acessórios

na cidade de são caetano disponibilizamos um serviço de Leva e trás equipamentos, para melhor atendimento e conforto neste momento.

Telefones disponíveis para suporte remoto:

(11) 94003-6762 / (11) 4232-3608- Whatsapp

Governo terá acesso à localização de celulares para monitorar quarentena

Governo terá acesso à localização de celulares para monitorar quarentena

Conforme veiculado no site da super interessante e visto em algumas noticias do site UOL as operadoras garantiram nesta quinta (2/04) que a ideia é só acompanhar o deslocamento da população – sem revelar a identidade do dono de cada aparelho.

Na sexta-feira passada (27), o Ministério da Ciência, Inovação, Tecnologia e Comunicação publicou um vídeo no Twitter em que Marcos Pontes anuncia uma colaboração do Governo Federal com as cinco principais operadoras de telefonia móvel do País para rastrear a localização de 222,2 milhões de linhas. O objetivo é ficar de olho em aglomerações e antever o espalhamento do novo coronavírus. O vídeo foi apagado logo em seguida sem justificativa por parte do MCITC, mas usuários salvaram o conteúdo na íntegra. Na quinta (2), as operadoras finalmente oficializaram a medida. As informações são do UOL Tilt

“As operadoras – Algar Telecom, Claro, Oi, Tim e Vivo, atuando em parceria – vão fornecer os dados de mobilidade originados pelos celulares nas redes móveis ao MCTIC, que possui uma sala de acompanhamento do tema e poderá disponibilizar as informações a todas as esferas do poder público”, afirmou o Sinditelebrasil, sindicato das empresas de telefonia, em um release publicado quinta (2) de manhã.

Eles garantiram que “os dados fornecidos visam exclusivamente o combate à covid-19. Estarão em nuvem pública (data lake) e organizados de forma agregada (…) e anônima, de acordo com as normas da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) e do Marco Civil da Internet”. Pontes também garantiu que não haverá problemas de privacidade. Caso você esteja se perguntando, um data lake é um repositório de dados desestruturado, com as informações em estado bruto. Não se parece em nada com uma planilha de Excel.

Em uma metrópole, é possível usar a localização das antenas a que cada chip se conecta para acompanhar, ao longo do dia, o deslocamento de milhares ou milhões de pontinhos dos subúrbios para o centro ou vice-versa nos horários de pico. Os pontinhos não são identificados, mas o movimento da população como um todo é visível em um mapa.

Com as medidas de distanciamento social e home office, houve uma queda sensível no movimento pendular diário de trabalhadores e estudantes. Neste contexto, aglomerações anormais de pessoas podem se sobressair.

As operadoras já haviam percebido isso: em 26 de março, Leonardo Capdeville, CTIO da TIM, afirmou em entrevista ao UOL: “Depois das medidas de restrição, a gente vê que essa massa não se desloca e a concentração permanece naquelas áreas iniciais”. Inspirado em medidas parecidas implantadas na Coreia do Sul e na Itália, Capdeville afirmou já estar cooperando com a prefeitura do Rio de Janeiro. Na quarta (1º), a Telefônica (Vivo) também anunciou um acordo de cooperação com o governo de São Paulo para uso de dados de deslocamento.

Fornecer essas informações às autoridades pode ajudá-las a acompanhar a pandemia, mas é essencial que tudo seja utilizado de maneira responsável e apenas para os fins anunciados.

Em teoria, o uso de tais dados precisaria ser autorizado previamente pelos usuários, mas a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais abre exceções e prevê boas práticas (como excluir as informações assim que possível e utilizá-las apenas para a tarefa pré-determinada). Além disso, os estados e o Governo Federal declararam calamidade pública – o que flexibiliza algumas normas, afirmou Patricia Ellen, secretária de desenvolvimento econômico, ciência e tecnologia de São Paulo à Reuters. 

A LGPD foi sancionada ainda no mandato de Michel Temer, em agosto de 2018, e entrará em vigor só em agosto deste ano. Ela prevê que os usuários de um serviço qualquer precisam autorizar o uso de seus dados antes do início da coleta e do armazenamento. O Art. 7º afirma que “o tratamento de dados pessoais somente poderá ser realizado nas seguintes hipóteses: I – mediante o fornecimento de consentimento pelo titular.”

O Art. 7º ainda afirma, porém, que o uso dos dados também está autorizado “II – para o cumprimento de obrigação legal ou regulatória pelo controlador; III – pela administração pública, para o tratamento e uso compartilhado de dados necessários à execução de políticas públicas previstas em leis e regulamentos ou respaldadas em contratos, convênios ou instrumentos congêneres (…)”. 

Outro trecho da lei diz que o consentimento é dispensável para dados considerados sensíveis nas mesmas duas hipóteses mencionadas nos incisos II e III ali em cima. Os dados sensíveis são definidos pela lei como dados pessoais “sobre origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural.” Não há menção a dados de localização. 

Google desabilita novo recurso de privacidade do Chrome por conta do Covid-19

O Google decidiu desfazer uma mudança implementada recentemente no Chrome por causa do coronavírus (COVID-19). A empresa optou por reverter um update que mudaria a forma como o navegador lida com cookies e que poderia fazer com que sites parassem de funcionar adequadamente.

A versão 80 do Chrome, liberada em fevereiro, trouxe uma alteração fundamental na forma como interpreta os cookies SameSite, visando melhorar a privacidade dos usuários dificultando alguns tipos de rastreamento por sites de terceiros, como explica 9to5Google. No entanto, essa transição tem um efeito colateral: quebrar alguns sites que não tenham sido atualizados recentemente para se adaptar.

A empresa entendeu que este momento, durante a pandemia da Covid-19, não era o momento ideal para fazer com que nenhum site parasse de funcionar, sob o risco de tornar inacessíveis serviços essenciais, como o e-commerce ou páginas informativas de governos, como explica a empresa no blog oficial.

O Google diz que não desistiu de implementar a mudança, mas que temporariamente a função será desabilitada a partir desta sexta-feira (3). A expectativa da empresa é que seja possível reativá-la a partir do terceiro trimestre.

Avast coleta e vende dados de navegação dos usuários há anos

Avast coleta e vende dados de navegação dos usuários há anos

Conforme reportagem veiculada pelo site da olhar digital e outras empresa a Companhia

Empresa alega que atividade permite estudar padrões de uso dos serviços na internet; aplicação dos dados está detalhado nos termos do antivírus

Recentemente foi revelado que o antivírus Avast coletou mais de 400 milhões de dados de navegação de usuários, com o objetivo de vendê-las a terceiros – principalmente para anunciantes. O ponto mais crítico desta situação é que a empresa realiza essa atividade desde 2013. Portanto, não é esperado o desconhecimento de tantas pessoas

O CEO da Avast, Ondrej Vlcek, explica que a coleta de dados é comum e geralmente é usada para proteger a privacidade dos usuários, uma vez que as informações são anonimizadas. Tudo indica que essa prática é mais comum do que parece, sendo que outras empresas do ramo fazem o mesmo há muito tempo.

Apesar da aparência ilegal, as empresas geralmente notificam essas ações em detalhes em seus termos de uso, como aponta o site Xataka. Por mais que a coleta de dados com intenções comerciais não tenha muito a cara de uma empresa relacionada à segurança nas redes, a própria Avast explica que isso não representa nenhum risco a longo prazo para os usuários. Os dados são coletados através de extensões adicionadas nos navegadores, dedicadas a extrair o URL dos sites visitados.

E a transparência?

Vlcek foi enfático ao afirmar que, durante a coleta de quaisquer informações, são eliminados dados que possam vir a prejudicar o usuário, de modo a usá-las apenas para fins métricos. Graças a essa coleta, é possível identificar vários padrões em certos serviços disponíveis na internet, pelos quais geralmente são estudados os padrões de uso ao longo do tempo. Em seguida, a Avast vende essas informações para diferentes clientes, especialmente dedicados à publicidade.

Se você deseja ver a exata localização nos termos de uso com os detalhes desta ação, pode visitar este link. Além disso, caso queira desabilitar esta atividade de coleta, pode fazê-lo pelo mesmo site.

Fim do suporte do Windows 7 e do Office

Fim do suporte do Windows 7 e do Office

O suporte para Windows 7 terminará no dia 14 de janeiro de 2020, e a sua experiência poderá ser diferente, dependendo de sua versão do Office.

Observação: Se você for um profissional de TI responsável pela implantação do Office em uma empresa, aconselhamos ver Fim do suporte do Windows 7 e o Office 365_ ProPlus.

Selecione a guia Office 365 ou Outras Versões do Office abaixo para saber mais sobre o que você precisa fazer após o fim do suporte para o Windows 7.

Office 365

Windows 7 e Office 365

Office 365 é governado pela política de ciclo de vida moderna que exige que os clientes estejam sempre atualizados conforme a manutenção e os requisitos do sistema para o produto ou serviço, inclusive usando o Office 365 em um sistema operacional Windows com suporte no momento.

O uso de Office 365 em sistemas operacionais mais antigos e sem suporte pode causar problemas de desempenho e confiabilidade com o tempo. Como uma valiosa assinatura do Office 365, gostaríamos de fornecer uma experiência estável do Office 365. Portanto, se você estiver usando o Office 365 em um computador executando o Windows 7, recomendamos migrar para o Windows 10.

Mesmo não havendo mais suporte para o Windows 7 após janeiro de 2020, decidimos fornecer a você as atualizações de segurança para Office 365 pelos próximos três anos até janeiro de 2023. Daremos mais tempo para que a transição do uso do Office 365 em dispositivos com Windows 7 para um sistema operacional compatível, como o Windows 10. Mas, durante esse período, enquanto o dispositivo ainda estiver executando o Windows 7, o Office 365 não receberá novas atualizações de recursos.

Depois de migrar para um sistema operacional Windows compatível, todos Office 365 os recursos e atualizações de segurança serão retomados normalmente. Neste momento, você pode executar uma atualização do Office para verificar se você tem a versão mais recente.

Desinstalar o Windows 7 e outras versões do Office

As versões sem assinatura do Office, como o Office Home & Student ou o Office Home & Business, terão suporte completo com base na política de ciclo de vida fixo. No entanto, o Windows 7 não receberá mais atualizações de segurança, o que o deixará vulnerável a ameaças à segurança. Assim, se você estiver executando o Microsoft Office em um computador com o Windows 7, recomendamos migrar para o Windows 10.

A tabela a seguir mostra as versões com suporte do sistema operacional do Office e do Windows.

SO WindowsOffice 2010Office 2013Office 2016Office 2019
Windows 7Com suporteCom suporteCom suporteN/D
Windows 8.1Com suporteCom suporteCom suporteN/D
Windows 10Com suporteCom suporteCom suporteCom suporte

* Essas versões do Office continuarão a ter suporte enquanto estiverem dentro da política de ciclo de vida da Microsoft. No entanto, se o problema for resultado da combinação do Office e de um sistema operacional sem suporte (que será o Windows 7 após 14 de janeiro de 2020), o problema não terá suporte.

Como obter o Windows 10

Para manter a confiabilidade e a estabilidade do Office 365, recomendamos migrar para o Windows 10.

O Windows 10 está disponível para que a compra atualize um computador existente, no entanto, os PCs mudaram substancialmente porque o Windows 7 foi lançado há dez anos. Os computadores de hoje são mais rápidos, robustos e mais elegantes. Além disso, eles já vêm com o Windows 10 instalado!

Para obter ajuda sobre como encontrar um que atenda às suas necessidades e ao seu orçamento, entre em contato com um de nossos consultores e por que os computadores com o Windows 10?

Se você comprou um computador novo com Windows 10, mas precisa de ajuda para transferir seus arquivos, consulte migrar para um computador com Windows 10.

Dica: Se seu computador for gerenciado pelo seu trabalho ou escola e você recebeu uma notificação de atualização para o Windows 10, consulte o suporte técnico de TI ou o administrador de TI sobre como atualizar. Siga as recomendações da sua organização para obter instruções sobre como transferir seus arquivos e aplicativos.

Você recebeu a notificação “Seu PC com Windows 7 está sem suporte”

Você recebeu a notificação “Seu PC com Windows 7 está sem suporte”

Aplica-se a: Windows 7 Home Basic,Windows 7 Home Premium,Windows 7 Professional,Windows 7 Ultimate,Windows 8

Resumo


Quando o PC está executando uma versão do Windows que chegou ao fim do suporte, é importante que você tome medidas porque, sem correções de segurança contínuas, o PC ficará vulnerável a vírus e malware.  Caso você tenha o Windows 8 (não atualizado para o Windows 8.1), o Windows 7 Service Pack 1 (SP1) ou o Windows 7 (não atualizado com SP1), uma das seguintes notificações em tela inteira poderá ser exibida no computador (dependendo do sistema que você estiver usando):

Windows 7 Service Pack 1 (SP1)

Seu PC com Windows 7 está sem suporte

Seu PC do Windows 7 está fora de suporte.  A partir de 14 de janeiro de 2020, o suporte para o Windows 7 chegou ao fim.  Seu PC é mais vulnerável a vírus e malware, devido a não mais atualizações de segurança, atualizações de software ou suporte técnico.  A Microsoft recomenda fortemente o uso do Windows 10 em um novo PC para os mais recentes recursos de segurança e proteção contra software malicioso.

A notificação permanecerá na tela até que você interaja com uma das opções disponíveis.  Embora essas notificações tenham sido projetadas para fornecer informações importantes, você pode selecionar “Lembrar mais tarde” para descartar o lembrete por três dias.  Caso prefira não receber mais lembretes, você poderá selecionar a opção “Não lembrar novamente” para deixar de recebê-los.

Windows 7 (não atualizado com SP1)

Desculpe interromper, mas isto é importante.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 7.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 7.

Windows 8 (não atualizado para o Windows 8.1)

Desculpe interromper, mas isto é importante.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 8.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 8

Essas versões do Windows atingiram o fim do período de suporte e não recebem mais atualizações de segurança da Microsoft. Para manter o Windows tão seguro quanto possível, recomendamos que você mude para o Windows 10. 

O suporte ao Windows 7 terminou em 14 de janeiro de 2020

O suporte ao Windows 7 terminou em 14 de janeiro de 2020

E agora o que devo fazer???

Aplica-se a: Windows 7


A Microsoft comprometeu-se a oferecer 10 anos de suporte de produto ao Windows 7 quando ele foi lançado em 22 de outubro de 2009. Esse período de 10 anos terminou, e a Microsoft descontinuou o suporte ao Windows 7 para que possamos concentrar nossos investimentos no suporte a tecnologias mais recentes e ótimas experiências novas. O dia específico do fim do suporte ao Windows 7 foi 14 de janeiro de 2020. A assistência técnica e as atualizações de software do Windows Update que ajudam a proteger o computador não estão mais disponíveis para o produto. A Microsoft recomenda fortemente que você faça a migração para o Windows 10 o outros sistemas operacionais mais novos, para evitar uma situação em que seja necessário um serviço ou suporte que não está mais disponível.

Após 14 de janeiro de 2020, os computadores que executam o Windows 7 não receberão mais atualizações de segurança. Portanto, é importante que você faça upgrade para um sistema operacional moderno, como o Windows 10, que pode fornecer as últimas atualizações de segurança para ajudar a manter você e seus dados mais seguros. Evitando problemas com vírus e ameaças ainda existentes, até mesmo ataques conhecidos como Ransonware (vírus oferecido como serviço). Além disso, o serviço de atendimento ao cliente da Microsoft não estará mais disponível para fornecer suporte técnico ao Windows 7. Os serviços relacionados ao Windows 7 também serão descontinuados ao longo do tempo. Por exemplo, determinados jogos, como Gamão na Internet e Damas na Internet, bem como o Guia Eletrônico de Programação para o Windows Media Center, estão agendados para serem descontinuados em janeiro de 2020.

Para a maioria dos usuários do Windows 7, fazer a migração para um novo dispositivo com Windows 10 é o caminho recomendado futuramente. Os computadores de hoje são mais rápidos, leves, potentes e seguros, com uma média de preço muito menor do que a dos computadores comuns de oito anos atrás. 

Posso fazer upgrade do meu computador existente para o Windows 10?

Para aproveitar os últimos recursos de hardware, recomendamos fazer a transição para um novo computador com o Windows 10. Como alternativa, é possível fazer upgrade de computadores Windows 7 compatíveis com a compra e a instalação de uma versão completa do software. Para obter mais informações, consulte Upgrade para o Windows 10: perguntas frequentes.

Como posso fazer upgrade para o Windows 10 gratuitamente?

A oferta de upgrade gratuito para o Windows 10 encerrou dia 29 de julho de 2016. Para obter o Windows 10, você precisará comprar um novo dispositivo ou, se tiver um computador compatível, adquirir uma versão completa do software, para mais informações consulte um de nossos consultores, para fazer upgrade de seu dispositivo atual. Recomendamos que você não instale o Windows 10 em um dispositivo mais antigo, pois alguns dispositivos Windows 7 não são compatíveis com o Windows 10 ou podem ter a disponibilidade de recursos reduzida, justamente por não ser totalmente compatível com o Sistema operacional novo.

O que acontecerá se eu continuar usando o Windows 7?

Se você continuar usando o Windows 7 após o término do suporte, o computador ainda funcionará, mas estará mais vulnerável a vírus e riscos de segurança. O computador continuará sendo inicializado e executado, mas não receberá mais atualizações de software, incluindo atualizações de segurança, da Microsoft.

O Windows 7 ainda poderá ser ativado após 14 de janeiro de 2020?

O Windows 7 ainda poderá ser instalado e ativado após o fim do suporte. No entanto, ele estará mais vulnerável a riscos de segurança e vírus devido à falta de atualizações de segurança. Após 14 de janeiro de 2020, a Microsoft recomenda fortemente que você use o Windows 10 em vez do Windows 7.

O Internet Explorer ainda terá suporte no Windows 7 e o Google Chrome?

O suporte ao Internet Explorer em um dispositivo Windows 7 também foi descontinuado em 14 de janeiro de 2020. Como um componente do Windows, o Internet Explorer segue o ciclo de vida de suporte do sistema operacional Windows no qual ele está instalado. Consulte as Perguntas frequentes sobre o ciclo de vida – Internet Explorer para obter mais informações. O Suporte a outros navegadores como Google Chrome, Opera, Mozzila, etc, depende da equipe de desenvolvimento e do objetivo de cada um, por exemplo no Windows XP, após seu término o Google manteve um conjunto de desenvolvedores por mais 2 anos após o fim do S.O., Após isso só lançaram atualizações críticas e por fim não conseguiram mais oferecer suporte, pois o S.O. não oferece suporte as mais novas tecnologias o que faz com que para que ele execute aquele determinado código novo o mesmo exija mais tempo e processamento para poder interpretar as linguagens e necessidades gráficas novas.

Pela nossa experiencia, é possível que alguns navegadores ainda forneçam suporte por algum tempo.

O Microsoft Security Essentials continuará protegendo meu computador após o fim do suporte?

O Microsoft Security Essentials (MSE) continuará recebendo atualizações de assinatura depois de 14 de janeiro de 2020. No entanto, a plataforma MSE não será mais atualizada. Clique aqui para saber mais sobre o Microsoft Security Essentials.

E se eu estiver usando o Windows 7 Enterprise?

Se você estiver usando o Windows como parte de um ambiente de trabalho, recomendamos verificar primeiro com o departamento de TI ou consultar o suporte de implantação do Windows 10 (Microsoft) para saber mais.

E quanto ao Windows 7 Embedded?

O Windows para dispositivos incorporados, como caixas eletrônicos ou bombas de gasolina, tem datas de ciclo de vida que às vezes diferem das versões do Windows usadas em dispositivos de computador.

Posso mover meus programas existentes para um novo computador Windows 10?

Para obter a melhor experiência possível, é recomendável fazer uma nova instalação de seus programas e aplicativos em seu novo computador Windows 10. A Microsoft Store tem uma variedade de apps de terceiros que podem ser facilmente baixados e instalados. Em seu computador Windows 10, você pode abrir a Microsoft Store selecionando o ícone na barra de tarefas ou procurando por “Microsoft Store” na caixa de pesquisa na barra de tarefas.

Para qualquer software que não esteja disponível na Microsoft Store, é recomendável acessar o site oficial da empresa e baixar a versão do software para Windows 10 de lá. Em situações limitadas, é possível que algum software mais antigo não tenha uma versão atualizada que seja compatível com o Windows 10, neste cenário você deve procurar o desenvolvedor da solução e verificar as alternativas ou soluções fornecidas para compatibilidade do sistema.

Como o fim do suporte ao Windows 7 afetará meus aplicativos do Microsoft Office?

Sua experiência pode ser diferente dependendo da versão do Office que você está usando. Para saber mais, consulte Fim do suporte ao Windows 7 e o Office. É importante observar que o Windows 7 em si não recebe mais atualizações de segurança, deixando seu dispositivo vulnerável a ameaças de segurança. Dessa forma, se você estiver usando o Microsoft Office em um computador Windows 7, recomendamos mudar para um computador Windows 10 e assim evitar alguns tipos específicos de ameaças.

Por que recebi uma notificação sobre o Windows 7?

O suporte ao Windows 7 terminou em 14 de janeiro de 2020. Você está recebendo notificações como cliente do Windows 7 para lembrá-lo de que seu dispositivo não tem mais suporte e não receberá mais atualizações de segurança.  Recomendamos mudar para um novo computador com o Windows 10.  Mais informações sobre a notificação estão disponíveis abaixo:

Você recebeu a notificação “Seu PC com Windows 7 está sem suporte”

Aplica-se a: Windows 7 Home BasicWindows 7 Home PremiumWindows 7 ProfessionalWindows 7 UltimateWindows 8

Resumo


Quando o PC está executando uma versão do Windows que chegou ao fim do suporte, é importante que você tome medidas porque, sem correções de segurança contínuas, o PC ficará vulnerável a vírus e malware.  Caso você tenha o Windows 8 (não atualizado para o Windows 8.1), o Windows 7 Service Pack 1 (SP1) ou o Windows 7 (não atualizado com SP1), uma das seguintes notificações em tela inteira poderá ser exibida no computador (dependendo do sistema que você estiver usando):

Windows 7 Service Pack 1 (SP1)

Seu PC com Windows 7 está sem suporte

Seu PC do Windows 7 está fora de suporte.  A partir de 14 de janeiro de 2020, o suporte para o Windows 7 chegou ao fim.  Seu PC é mais vulnerável a vírus e malware, devido a não mais atualizações de segurança, atualizações de software ou suporte técnico.  A Microsoft recomenda fortemente o uso do Windows 10 em um novo PC para os mais recentes recursos de segurança e proteção contra software malicioso.

A notificação permanecerá na tela até que você interaja com uma das opções disponíveis.  Embora essas notificações tenham sido projetadas para fornecer informações importantes, você pode selecionar “Lembrar mais tarde” para descartar o lembrete por três dias.  Caso prefira não receber mais lembretes, você poderá selecionar a opção “Não lembrar novamente” para deixar de recebê-los.

Windows 7 (não atualizado com SP1)

Desculpe interromper, mas isto é importante.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 7.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 7.

Windows 8 (não atualizado para o Windows 8.1)

Desculpe interromper, mas isto é importante.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 8.

Seu computador está executando uma versão desatualizada do Windows 8

Essas versões do Windows atingiram o fim do período de suporte e não recebem mais atualizações de segurança da Microsoft. Para manter o Windows tão seguro quanto possível, recomendamos que você mude para o Windows 10. 


1 2 3