Avião construído para resistir ao “fim do mundo” é derrubado por um pássaro O E-6B Mercury foi desenhado para sobreviver a um ataque nuclear, mas precisou fazer um pouso de emergência após uma ave entrar no motor.

As Forças Armadas dos Estados Unidos já estão preparadas para uma eventual guerra nuclear que possa acabar com o planeta. Para isso, o país possui uma frota de aviões adaptados para sobreviver aos danos de uma bomba nuclear. Além disso, as aeronaves também usam sinais de baixas frequências para se comunicar e comandar o disparo de mísseis submarinos… Mas não foram páreo para uma ave.

No último dia 2 de outubro, a equipe das Forças Armadas conduziam um teste em algum lugar do estado de Maryland. A aeronave já estava no ar e deveria fazer uma manobra que consiste em tocar o chão por alguns segundos e voltar a decolar. Durante o exercício, um pássaro entrou em um dos quatro motores do avião, causando um pouso forçado.

Nenhum dos tripulantes se feriu, mas os estragos não foram baratos: o passarinho causou um prejuízo de U$2 milhões (cerca de R$8 milhões) em danos para a aeronave. A marinha americana classificou o acontecimento como um “acidente de classe A”, o pior na escala de desastres. Esse rótulo é reservado para acidentes com mortes ou ferimentos irreparáveis, para o caso de perda total da aeronave ou estragos maiores de 2 milhões de dólares.

O E-6B Mercury foi construído pela Boeing para funcionar como uma espécie de base aérea para a marinha americana no caso de uma guerra nuclear. Ele poderia servir como um centro de comando e comunicação militar. O grande diferencial é que seus sistemas de controle conseguem operar mesmo se uma bomba nuclear explodir bem debaixo do avião.

Acidentes com pássaros são mais comuns do que parece. São registrados mais de 3 mil acidentes aéreos militares por ano envolvendo animais selvagens só nos Estados Unidos. No Brasil, a média é de 2 mil colisões com fauna todo ano.

Se a sua ideia para diminuir esses números for colocar algum tipo de grade para proteger os motores, saiba que não é tão simples assim. Os motores sugam muito ar durante seu funcionamento. Qualquer tipo de barreira na frente deles dificultaria a absorção de ar e teria que ser extremamente grossa e resistente para aguentar o impacto de um pássaro batendo a 800 quilômetros por hora. Pouco viável para a aviação.

Já foram desenvolvidas algumas maneiras de evitar as colisões sem ferir aos animais, como chamar a atenção dos pássaros usando ilusões de ótica e pulsos de luz. Os motores das aeronaves também são robustas o suficientes para aguentar o tranco de uma ave pequena sem muito problema. Mesmo assim, as colisões com animais ainda causam um dano estimado em U$3 bilhões ao ano para a aviação mundial. Um belo estrago para a aviação – e para os pássaros.

Brecha em servidor da Adobe expõe 7.5 milhões de usuários da Creative Cloud

Em mais uma grave brecha de segurança, a Adobe foi a responsável pela exibição dos dados de 7,5 milhões de usuários do Creative Cloud, sua suíte de aplicativos na nuvem. O número é equivalente a metade da base total de assinantes da plataforma, que tiveram vazados e-mails, datas de criação de contas, produtos adquiridos e com assinatura corrente, status de pagamento, IDs e países, além de indicadores caso fossem funcionários da própria desenvolvedora de software.

A falha foi descoberta pela Comparitech, uma empresa de segurança da informação, e informada à Adobe no dia 19 de outubro, tendo sido corrigida rapidamente. Ainda assim, não dá para saber por quanto tempo o servidor que disponibilizava os dados ficou aberto, permitindo o acesso e a visualização dos dados sem a necessidade de senhas ou qualquer outro tipo de autenticação.

Em comunicado, a Adobe disse que a falha aconteceu, especificamente, em um ambiente de prototipagem. Mais uma vez, o problema se deu por conta de uma má configuração de servidores ElasticSearch que, como o nome já indica, entrega uma solução de pesquisas em banco de dados, que funciona na nuvem e com código aberto. É uma ferramenta bastante usada por empresas de tecnologia, mas também, uma alternativa costumeiramente responsável por vazamentos desse tipo quando não configuradas corretamente pelos responsáveis.

De acordo com a Comparitech, como a data em que a brecha se tornou disponível é desconhecida, também não dá para saber se terceiros tiveram acesso não autorizado a ela. Entretanto, a empresa de segurança tranquiliza os usuários, uma vez que dados confidenciais, senhas ou informações financeiras não estavam disponíveis nos servidores, o que torna a brecha um pouco menos perigosa.

Ainda assim, o alerta é para que os assinantes da Adobe Creative Cloud permaneçam atentos, principalmente, a e-mails fraudulentos que possam tentar se passar pela companhia para solicitar credenciais de acesso ou senhas. O olho deve permanecer vivo, também, quanto a outros serviços que compartilhem o mesmo endereço de correio eletrônico, já que eles também podem ser alvo a partir de outros bancos de dados vazados, esses sim, contendo senhas.

A recomendação é que a autenticação em duas etapas seja ativada em todos os perfis de usuário ou, pelo menos, naqueles mais importantes. A medida adiciona um passo adicional ao processo de login, o que faz com que vazamentos como estes se tornem menos preocupantes, uma vez que, mesmo tendo a senha, os hackers não seriam capazes de acessar uma conta.

Operação policial derruba 50% do tráfego de IPTV pirata

Operação policial derruba 50% do tráfego de IPTV pirata

Sistema de gerenciamento usado por mais de 5.000 provedores atingia 50 milhões de usuários e teve impacto imediato no mercado

Recentemente, o site do Olhar Digital falou sobre como o IPTV pirata havia ganhado popularidade nos últimos anos e como as autoridades começavam a ficar mais atentas a esta prática. O resultado disso já está sendo visto: uma operação policial na Europa derrubou um sistema gigantesco de gerenciamento de IPTV chamado Xtream-Codes, deixando muitos usuários desse tipo de serviço no escuro.

A operação foi chamada de Black IPTV mirou vários alvos. Primeiramente, as autoridades foram atrás dos indivíduos por trás de um provedor de IPTV na Itália. No entanto, a ação também acabou por derrubar o Xtream-Codes, sistema que é base para vários serviços de IPTV. Estima-se que ele fosse usado por 5.000 provedores atingindo 50 milhões de usuários finais, então o seu encerramento teve um impacto imediato.

De fato, a Sandvine, empresa que produz equipamento de rede e que costuma monitorar esse tipo de tráfego, notou uma queda brutal no volume de dados que circula na internet relacionado a serviços de IPTV piratas. Em contato com o site TorrentFreak, a companhia confirmou que percebeu uma queda de 50% no tráfego de IPTV ilícito.

A operação atingiu as plataformas de IPTV no dia 18 de setembro, uma quarta-feira, mas seus efeitos só foram sentidos ao longo dos dois dias seguintes por questões técnicas. Foi neste momento, de quinta para sexta-feira, em que a Sandvine percebeu a queda drástica de 50%.

No entanto, a pirataria é comparada a uma hidra por bons motivos: corte uma cabeça e outras surgem. Os provedores logo começaram a migrar para outros sistemas de gerenciamento além do Xtream-Codes, e os serviços logo começaram a ser restabelecidos.

A Sandvine listou cinco serviços que foram completamente derrubados com a operação policial entre os dias 19 e 21 de setembro. Segundo a empresa, quase todos já estavam se recuperando no dia 21, com apenas um deles ainda inativo. Contudo, é importante notar que o mercado de IPTV pirata é consideravelmente maior do que esses cinco serviços e é difícil estimar com precisão o total de plataformas similares afetadas e quantas delas conseguiram se recuperar.

Procon aplica multa milionária à Apple e Google por FaceApp

Procon aplica multa milionária à Apple e Google por FaceApp

Google terá que pagar quase R$ 10 milhões, e Apple, R$ 7,7 milhões, por aplicativo que envelhece o rosto de usuários

Procon-SP multou as empresas Apple e Google por desrespeito às regras previstas no Código de Defesa do Consumidor (CDC) enquanto papel de fornecedoras autorizadas em suas respectivas plataformas, do aplicativo FaceApp, que possuía filtros para envelhecer o rosto dos usuários e se tornou febre no Brasil recentemente. 

As multas para as gigantes são milionárias. Google deverá pagar, segundo a Fundação, R$ 9.964.615,77 (valor máximo estipulado), e a Apple, R$ 7.744.320,00. Ambas poderão recorrer da decisão. 

Em comunicado oficial enviado ao Olhar Digital, o Google informa que: Seguindo a filosofia do sistema operacional Android, a Google Play é uma loja virtual aberta na qual o próprio Google e terceiros podem disponibilizar aplicativos e jogos, que podem ser baixados por usuários para serem utilizados em seus celulares. O Marco Civil da Internet e o próprio Código de Defesa do Consumidor dispõem que as lojas virtuais não devem ser responsabilizadas pelas práticas e políticas de aplicativos de terceiros, por isso, tomaremos as medidas necessárias para questionar a multa imposta pelo Procon“.

A Apple Computer Brasil Ltda. informou que não vão comentar sobre o assunto. 

As penalidades aplicadas se referem ao ferimento da “Política de Privacidade” e “Termos de Uso“. De acordo com o órgão de defesa do consumidor, as empresas que possuem responsabilidade sobre dados essenciais dos produtos e serviços que ofertam, não disponibilizaram informações em português. Recentemente, o assunto esteve em pauta no  Olhar Digital News, que trouxe o advogado e consultor da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) Leandro Alvarenga para falar sobre assunto

Segundo o diretor da Fundação Procon-SP, os valores das multas são distintas por serem estipuladas de acordo com o faturamento de cada empresa. O aplicativo russo FaceApp não foi penalizado por não possuir representação jurídica no Brasil. 

Proteção de Dados

No mês passado, as gigantes da tecnologia e o próprio aplicativo russo já tinham sido notificados pelo Procon-SP. O mesmo app de filtros, aliás, já estava sendo investigado na Europa por questões ligadas à privacidade e coleta de dados (GDPR), segundo Alvarenga.

No Brasil, as questões desrespeitadas segundo o Procon-SP, que ainda não serão submetidas às regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), prevista para vigorar em agosto de 2020, acabam sendo julgadas com base em leis mais genéricas, como o Código de Defesa do Consumidor, o Código Civil ou o Marco Civil da Internet, de acordo com o especialista em Direito Digital Renato Blum.

Recurso

Google e Apple poderão recorrer em duas instâncias administrativas sobre as multas aplicadas, segundo o órgão. Além do direito de defesa, elas poderão recorrer judicialmente dessas multas ou mesmo quitá-las, com direito a 30% de desconto, caso o pagamento se dê à vista.

Reportagem original: https://olhardigital.com.br/noticia/procon-aplica-multa-milionaria-a-apple-e-google-por-faceapp/89772

Xbox Live cai pela segunda vez na semana e expõe problema crônico do Xbox

Xbox Live cai pela segunda vez na semana e expõe problema crônico do Xbox

Não foi uma semana muito boa para a Xbox Live. Nesta sexta-feira, o serviço ficou fora do ar pela segunda vez, fazendo com que os usuários não fossem capazes apenas de acessar jogos com multiplayer online, mas impedindo a reprodução de vários aplicativos.

A situação fez com que a Microsoft reconhecesse um defeito na arquitetura do Xbox, que faz com que muitos apps dependam de uma verificação com a Xbox Live, mesmo que seu funcionamento seja completamente independente da plataforma da Microsoft. O resultado é que Amazon Prime Video, Spotify e tantos outros serviços que continuavam no ar em todas as outras plataformas ficavam indisponíveis no Xbox.

Phil Spencer, chefe da divisão do games na Microsoft, já havia dito que esse era um problema a ser resolvido. Isso, no entanto, foi afirmado em 2015, quando questionado pelo jornalista Tom Warren. “Eu acredito que você está certo. A dependência entre serviços precisa ser minimizada”, disse ele na ocasião.

A essa altura da geração de consoles, parece pouco provável que a Microsoft dará fim nesta questão, mas será interessante observar se o “Scarlett”, codinome do próximo Xbox, será desenvolvido de uma forma que permita maior independência entre aplicativos e a Xbox Live.

Casa conectada é o destaque da Eletrolar Show 2019

Casa conectada é o destaque da Eletrolar Show 2019

Marcas como Xiaomi, LG e Positivo, entre outras, apresentam seus produtos para esse segmento. Além disso, há diversos itens inusitados em exposição

A Eletrolar Show começou hoje em São Paulo e vai até quinta-feira, 1º de agosto. Mais de 700 empresas expõem seus produtos por lá e o grande destaque da feira é a casa conectada. Há opções de todo tipo e para todos os bolsos, já que diferentes marcas mostram suas novidades nesse segmento. Isso inclui desde kits para automação de aspectos de segurança, como sensores de presença e smart lâmpadas, até televisores que funcionam como o centro inteligente da casa e eletrodomésticos que podem ser ligados a distância pelo celular.

Entre as fabricantes que oferecem esse tipo de solução estão a LG, a Positivo Casa Inteligente, a Xiaomi, a Orvibo e a i2Go. A LG fez de seus televisores o hub central da casa conectada: pelo aparelho, é possível ligar e desligar outros eletrodomésticos, bem como acompanhar o funcionamento deles. Além disso, nas lavadoras de roupas, a empresa colocou inteligência artificial para que elas detectem o tipo de tecido a ser lavado e a melhor forma de fazê-lo.

Já a Positivo Casa Inteligente destaca seus kits como os mais baratos do mercado — já que são voltados à classe média. Entre as opções da fabricante estão lâmpadas, câmeras de monitoramento, plugues para tomadas, sensores e alarmes. Os preços começam em R$ 99 e tudo é controlado por um aplicativo de celular.

A Xiaomi também tem kits para quem quer automatizar a casa, com lâmpadas, luminárias e sensores. Além disso, a companhia mostra na Eletrolar o smartphone Mi 9T, com câmera selfie pop-up, bem como os modelos Redmi 7A e Mi A3 — nenhum deles, entretanto, tem data de lançamento ou preço definidos.

Outra empresa com dispositivos para deixar a casa conectada é a Orvibo. Da fechadura biométrica à automação da cortina, passando pelo espelho inteligente que permite controlar todos os dispositivos da casa, a companhia tem soluções para os mais diferentes cômodos da residência.

Cada um dos moradores pode definir como prefere que o ambiente o receba quando chegar: pode ser, por exemplo, que o pai queira ouvir sua playlist preferida do YouTube na TV sob uma iluminação minimalista, enquanto a mãe opte por chegar ao som de música clássica e todas as luzes acesas, e o filho escolha ter seu game preferido carregado na TV do escritório e pronto para uso. Quando o dedo é colocado na fechadura, o local se adapta automaticamente.

A i2Go também tem uma linha de itens para tornar a casa mais conectada e inteligente. A gama de produtos inclui sensores wi-fi, câmeras internas e externas, lâmpadas e plugues. Com os plugues, é possível tornar qualquer tomada comum em smart e, assim, ligar um aparelho conectado a ela a distância. Isso facilita, por exemplo, preparar o jantar na fritadeira a ar enquanto está a caminho de casa. Ou, quem sabe, ligar o circulador de ar para refrescar o ambiente e deixá-lo preparado para recebê-lo.

Produtos inusitados

Além disso, o Olhar Digital deu uma volta pela feira e selecionou alguns itens curiosos. Veja!

A Geonav mostra seu AerBone. É um fone de ouvido que usa os ossos da face para propagar o som. Assim, não é preciso colocá-lo dentro da orelha para ouvir suas músicas preferidas. Isso é uma vantagem para quem precisa estar atento aos sons ambientes, como ciclistas ou quem usa patinete elétrico. O produto custa R$ 599.

Para quem está em busca de uma película resistente para o celular, a X-One oferece seus modelos Extreme Shock Eliminator. Na feira, a marca demonstra como o produto é resistente: um iPhone com a película instalada é usado como martelo para fixar um prego em um pedaço de madeira. Além disso, a empresa mostra as capas Dropguard, que absorvem impactos durante quedas e evitam que o telefone sofra danos. As películas custam a partir de R$ 100 e as capas, R$ 149,90.

No quesito saúde, a marca Beurer tem dispositivos inovadores. Um deles é a Máscara Snore. Com ela, sempre que o indivíduo ronca, um pulso é enviado ao cérebro. Assim, as vias respiratórias se abrem para que ele respire melhor e pare de roncar. Custa R$ 800.

E quem tem dificuldade para dormir pode usar o dispositivo anti-estresse da empresa. É só colocá-lo no diafragma, ouvir a música zen disponível no aplicativo próprio do aparelho e adormecer em minutos. Sai por R$ 800. A companhia tem, ainda, outros itens para a saúde, como cadeiras massageadoras, balanças que medem bioimpedância e gordura visceral e dispositivos que ativam os músculos com pulsos elétricos durante o treino na academia.

Para os dias de inverno e baixa umidade relativa do ar, uma boa opção é o umidificador portátil USB Fresh, da On Eletrônicos. Ele pode ser usado com qualquer copo ou garrafa e garante a umidificação de até 15m². O preço é R$ 59.

Ainda para o inverno, a AND tem o Aquecedor Stang para pequenos ambientes. Ele pode ser conectado ao aplicativo da marca e conectado a distância. Assim, é possível ligá-lo ao sair do trabalho e ter a casa quentinha ao chegar. A temperatura máxima que o dispositivo atinge é 30°C. Além disso, o aparelho pode ser usado como secadora de roupas: colocado dentro de uma capa especial equipada com um varal, permite secar as peças de forma mais rápida.

Engenheiro da Netflix descobre falhas de segurança no Linux

Engenheiro da Netflix descobre falhas de segurança no Linux

SACK Panic foi uma das vulnerabilidades encontradas por Jonathan Looney

Vários servidores, sistemas Linux e FreeBSD possuem uma vulnerabilidade de negação de serviço chamada SACK Panic. A descoberta foi feita por Jonathan Looney, engenheiro da Netflix Information Security. 

Além desta, outras brechas foram identificadas por Looney. Segundo o especialista,  uma série de pacotes maliciosos enviados para o sistema vulnerável é suficiente para travá-lo ou atrasá-lo — originando uma pane no kernel, que é disparada remotamente. Para proteger o sistema, patches de soluções foram liberados.

As três falhas estão relacionadas entre si e dizem respeito à maneira como o kernel do Linux lida com a rede TCP — um conjunto de protocolos de comunicação entre computadores em rede. O SACK Panic foi descrito pela Red Hat, empresa que disponibiliza soluções baseadas no no GNU/Linux, como o “mais grave” do trio. A empresa alertou que essa vulnerabilidade específica “pode permitir que um ataque remoto cause uma pane no kernel, em sistemas que executam o software afetado e, como resultado, afetem a disponibilidade do sistema”.

O SACK Panic foi atribuído ao  código CVE-2019-11477  e sua gravidade é classificada como “Importante”, enquanto as falhas relacionadas, de nomenclaturas CVE-2019-11478  e  CVE-2019-11479, ganharam a etiqueta de  “Moderadas”.

A vulnerabilidade mais séria afeta o Red Hat, o Debian, o Ubuntu, o Amazon Web Services e o SUSE, com kernels Linux 2.6.29 ou posteriores.

Patches estão disponíveis para os sistemas afetados e uma solução alternativa também foi sugerida. Definindo linha de comando “/ proc / sys / net / ipv4 / tcp_sack” como 0, o processamento de SACK é desativado.

Mais detalhes estão disponíveis no comunicado de segurança publicado no GitHub. Red Hat, Amazon Web Services, SUSE e Debian também compartilharam recursos e informações úteis para a correção do problema em dose tripla.

saiba mais sobre estas falhas nos links relacionados ao fabricante:

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11477

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11478

https://access.redhat.com/security/cve/cve-2019-11479

https://github.com/Netflix/security-bulletins/blob/master/advisories/third-party/2019-001.md

https://aws.amazon.com/pt/security/security-bulletins/AWS-2019-005/

https://security-tracker.debian.org/tracker/CVE-2019-11477

Computação em nuvem é parte inseparável do seu dia a dia

Computação em nuvem é parte inseparável do seu dia a dia

É bem provável que você nunca tenha pensado nisso, mas boa parte das suas tarefas diárias é feita graças à computação em nuvem. Saiba mais a seguir

Você usa Gmail? Facebook? Banco online? Netflix? Lojas virtuais? Então, você já é cliente da computação em nuvem — mesmo que jamais tenha pensado sobre isso. E a nuvem, aqui, não são as Cumulus, Congestus, Stratocumulus, Stratus ou outras que vagam pelo céu.

A nuvem é a própria internet — que, ainda que seja conhecida de todos nós, é um ente impalpável, como as nuvens de verdade que inspiraram o conceito. Apesar do nome poético, tudo o que pode ser acessado pela nuvem fica em servidores físicos. Ou seja, não há dados voando pelo ar, como a ideia pode fazer parecer inicialmente.

Como os equipamentos que guardam esse conteúdo não ficam perto do usuário, eles só são usados de forma virtual — e, claro, tudo é acessado online. Trata-se, portanto, de uma tecnologia essencial atualmente. Pode-se dizer que foi com a computação em nuvem que a internet se tornou realmente onipresente.

Afinal, ela permite fazer diferentes tarefas de forma remota. Pense, por exemplo, em uma loja virtual. Não é preciso instalar um aplicativo específico para usá-la: os dados do sistema comercial do estabelecimento estão nessa nuvem e podem ser solicitados por consumidores sempre que necessário.

A ubiquidade é sua principal característica

Diferentes ferramentas, como editores de texto, de imagens e de vídeo também estão na nuvem. O acesso à internet é suficiente para usá-los e, depois, guardar o conteúdo produzido com eles na própria nuvem. Com isso, basta estar conectado à internet para ter acesso a tudo — a qualquer hora e de qualquer lugar.

Uma das maiores novidades nesse cenário são os streamings de games, como o Stadia, do Google, o xCloud, da Microsoft, e o Playstation Now, da Sony. A proposta é que o cliente jogue até títulos que exigem especificações robustas mesmo sem tê-las em casa: um computador com configurações básicas é suficiente para que o jogador interaja com os servidores — que ficam responsáveis pela execução do jogo.

Ainda no segmento de streaming, um serviço bastante popular que usa a nuvem é o Netflix — e todos os similares que vieram depois dele. Ele permite que praticamente qualquer computador, independentemente de sua capacidade, possa ser usado para ver os títulos disponíveis no catálogo.

Em resumo, então, a computação em nuvem é a possibilidade de usar diferentes tipos de serviços pela internet. O melhor de tudo é que os servidores que os armazenam são atualizados regularmente com a geração mais recente de tecnologia. Assim, pode-se apostar em recursos flexíveis — o que representa economia — e pagar apenas pelo que se contrata.

No ambiente corporativo, a computação em nuvem oferece ainda mais benefícios. A economia com equipamento vem acompanhada da redução de custos com backup, recuperação de desastre e continuidade dos negócios. E isso é possível porque, em geral, os dados ficam hospedados em diversos sites redundantes na rede do provedor.

O sistema tem vantagens e desvantagens

A computação em nuvem representa uma mudança importante de paradigma. Até sua chegada, os recursos de tecnologia evoluíam continuamente e havia uma preocupação constante em ter sempre os dispositivos mais atuais à disposição. Com ela, essa necessidade já pode deixar de ser prioridade.

Essa é uma das principais vantagens da computação em nuvem: a possibilidade de usar equipamentos pouco potentes para tarefas complexas — afinal, tudo é executado de forma remota. Então, para ver as produções mais atuais da Netflix, até mesmo um celular ou tablet simples é suficiente.

Além disso, o acesso a dados de todo tipo pode ser feito de qualquer lugar desde que se tenha uma conexão com a internet. Assim, não é preciso manter conteúdos em um único computador e pode-se fazer tarefas diversas de qualquer dispositivo: da criação de textos à edição de vídeos.

E quais são as desvantagens? É comum que os provedores de computação em nuvem tenham políticas de segurança rígidas para a proteção de dados, mas muitos ainda veem a tecnologia com ressalvas. Especialmente aqueles indivíduos que não se sentem à vontade para manter informações importantes em ambientes online — ou têm medo de ataques virtuais.

Outro aspecto importante — e que pode ser uma desvantagem — é a necessidade de ter uma conexão com a internet de qualidade. Como tudo fica em servidores remotos, em geral instalados em localidades distantes, o acesso à internet deve ser o melhor possível. Se o usuário não usar uma rede estável, isso pode atrapalhar algumas aplicações, como streamings.

Veja o quanto você usa a nuvem

Grandes empresas atuam cada vez mais na computação em nuvem. Os recursos criados por elas permitem que tudo seja feito online, sem a necessidade de mídias físicas.

Um bom exemplo é o Google, que tem vários aplicativos na nuvem: do Gmail ao Drive, passando pelo Maps e pelo Fotos, a companhia usa de forma muito eficiente essa rede virtual. Outro destaque da empresa é o Chrome OS, que exige muito menos capacidade de processamento da máquina, já que funciona exclusivamente com aplicativos web.

A Microsoft também aposta no conceito. Seu Live tem ferramentas como o Hotmail e o Messenger (que pode ser usado mesmo que não esteja instalado no computador). Além disso, a suíte Office (Word, Excel, PowerPoint e OneNote) tem versão online e, para armazenamento, a empresa tem o OneDrive.

Outra que tem soluções desse tipo é a Apple, com seu iCloud. Lá, o cliente da marca pode integrar informações do Mac com o iPad ou o iPhone. E mais: pode sincronizar e-mails, favoritos do navegador, músicas e assim por diante. Assim, tem tudo sempre à mão em qualquer um dos dispositivos.

Conheça os tipos de nuvem

Existem diferentes tipos de nuvem, que são adequados a perfis distintos. São as nuvens pública, privada e híbrida.

Nuvem pública

Nuvens públicas pertencem a um provedor e são administradas por ele. Elas oferecem recursos de computação (como servidores e armazenamento) pela internet para serem usados por vários clientes diretamente de um navegador web.

Nuvem privada

A nuvem privada é de uma única empresa e, normalmente, fica fisicamente em seu datacenter local. Assim, todos os recursos de computação disponíveis são usados exclusivamente pela companhia que a detém.

Nuvem híbrida

Uma combinação de nuvens públicas e privadas, ligadas de forma a permitir o compartilhamento de dados, é encontrada nas nuvens híbridas. Os itens podem ser movidos entre elas para garantir maior flexibilidade e otimizar a infraestrutura.

Saiba quais são os serviços oferecidos

Os serviços de computação em nuvem podem ser enquadrados em quatro categorias. São elas: infraestrutura como serviço (IaaS), plataforma como serviço (PaaS), software como serviço (SaaS) e computação sem servidor.

IaaS

É a categoria mais básica de serviços de computação em nuvem. Permite alugar a infraestrutura de tecnologia de informação (servidores, armazenamento, redes e sistemas operacionais) e pagar apenas o que usar.

PaaS

Esta opção oferece um ambiente sob demanda para desenvolvimento, teste, fornecimento e gerenciamento de aplicativos. Ela torna esse processo mais rápido, já que elimina a necessidade de administrar a infraestrutura necessária para o processo.

SaaS

Permite a distribuição de soluções sob demanda pela internet. Para isso, o provedor hospeda e gerencia a ferramenta e a infraestrutura subjacente, bem como a mantém atualizada. Os usuários, então, se conectam ao aplicativo pela web.

Computação sem servidor

A computação sem servidor garante que toda a infraestrutura seja administrada pelo provedor. É controlada por eventos e os recursos só são usados quando uma função ou um evento inicia essa atividade.


Entenda por que reiniciar o celular de vez em quando faz bem ao aparelho

Cada vez mais os celulares fazem tarefas que, antes, exigiam mais de um equipamento para serem realizadas. Com eles nós tiramos fotos, filmamos, jogamos, organizamos nossas agendas e fazemos até ligações! (ironia e risos). E por usarmos eles para tantas coisas, é muito comum que a gente esqueça de desligar e reiniciar os aparelhos durante a semana.

Religar o smartphone de vez em quando pode trazer uma série de benefícios ao aparelho, independente da sua marca. Todos os smartphones, por exemplo, têm uma quantidade de memória ram. A memória ram serve para guardar informações temporárias dos aplicativos que usamos no celular. Isso ajuda a executar os programas de forma mais rápida, porque o celular não precisa carregar tudo do zero sempre que você entrar e sair de um mesmo programa. Imagiana ter que carregar o whatsapp inteiro toda vez que você entrar e sair dele? Iria demorar muito não é? Então a memória ram ajuda a abrir um mesmo aplicativo de forma mais rápida. Só que quando ela está quase cheia, a velocidade para usar outros apps fica mais lenta. Por isso é bom desligar e ligar o celular. Pois quando o aparelho é reiniciado, o sistema limpa a memória ram e tudo volta ao seu estado inicial.

Outra situação que acontece no smartphone quando ele fica muito tempo sem ser desligado é o acúmulo de processos de erro. Nossos celulares funcionam como pequenos computadores que processam vários programas ao mesmo tempo. Com isso, podem acontecer alguns erros de processamento, e sempre que acontece um erro, um arquivo sobre esse erro é gerado e fica armazenado no seu celular. Esses arquivos vão acumulando e são deletados quando você desliga e liga o celular. Então, quanto mais tempo você fica sem reiniciar seu smartphone, mais processos acumulam, o que pode prejudicar o desempenho do aparelho e até mesmo o funcionamento de um aplicativo. Muitas vezes, qundo um programa não está funcionando, reiniciar o celular pode ser a solução para o problema, pois o smartphone encerra todos os processos e limpa os arquivos que estavam acumulando.

Reiniciar o smartphone também pode ajudar a preservar o bom funcionamento da bateria. Não são raros aplicativos que continuam funcionando em segundo plano. Isso significa que existem programas que permanecem ativos mesmo quando não estão abertos na tela do aparelho. Por estarem ativos, esses aplicativos aumentam o consumo de bateria, mas quando o celular é reiniciado, esses programas são encerrados, o que ajuda a melhorar o desempenho da bateria. Além disso, é importante que o celular não seja colocado para carregar na tomada a todo momento. Isso porque, quando a bateria do celular é carregada sem estar com a carga baixa, o sistema do aparelho é incapaz de aprender quando a bateria está chegando ao seu limite de verdade. E reiniciar o aparelho também ajuda a zerar essas contagens do sistema.

Não existe um número mínimo ou um padrão exato a ser seguido em relação ao número de vezes que se deve reiniciar o smartphone. Mas, desligar e ligar o aparelho uma vez ao dia, com certeza, não causa mal algum ao celular. Ao contrário, fazer isso já ajuda a fazer com que o sistema do aparelho tenha um melhor desempenho e menos travamentos.

Agora, quem prefere deixar o celular ligado por mais tempo, durante uma semana toda, por exemplo, deve ficar atento ao desempenho do celular. Caso comece a enfrentar algum problema de lentidão, pode ser uma boa ideia começar a reiniciar o smartphone com mais frequência.


Controle parental: como garantir um ambiente seguro para seus filhos na internet

Controle parental: como garantir um ambiente seguro para seus filhos na internet

Reportagem original do site olhar digital

As perguntas todo mundo já conhece. Dá para controlar o que eles acessam na internet? Qual é a idade ideal para o seu filho ter um celular? Os jogos online realmente são uma ameaça a criança? Até que ponto é possível interferir quando o assunto é liberdade na rede? O difícil é encontrar respostas precisas para essas dúvidas… A Gabriela, mãe do Ian e da Vitória, consegue ver de perto o que os filhos fazem na web, com o aplicativo Familylink, do Google. Ele permite que os pais estabeleçam regras digitais para os seus filhos, como definir limites de tempo para a tela, estabelecer horário de dormir, bloquear dispositivos remotamente e emitir avisos quando a criança faz algo indevido. 

Infelizmente, o que acontece na casa da Gabriela é exceção. Segundo uma pesquisa do CyberHandbook, cerca de 80% dos pais não sabem o que os filhos acessam na internet. E os perigos? Esses são muitos. Casos de pedofilia, extorsão e cyberbullyng são os mais preocupantes. Fora os conteúdos impróprios para a faixa etária da criança e até jogos macabros, como o jogo da Baleia Azul, que ficou conhecido por propor diversos desafios perigosos até chegar na última fase em que incentivava suicídio.

Se os problemas são grandes, a boa notícia é que hoje existem diversas ferramentas de controle parental. Gigantes como a Apple e a Microsoft já contam com configurações na sua própria plataforma que garantem segurança para crianças. O Painel de Controle de Pais do Mac ajuda a monitorar conteúdos e aplicativos para um usuário específico. Em termos de tempo e uso, esta é uma ótima ferramenta para limitar o acesso dos filhos a internet. Você pode configurar filtros, além de limitar a transação de e-mails e mensagens de iChat. O Windows conta com um programa chamado Windows Family Safety, que é uma ferramenta usada para manter a criança longe de algum conteúdo online inapropriado. Você pode adicionar e tirar sites específicos e definir níveis de filtragens.

A McAfee, fabricante de ferramentas de segurança, também tem uma proposta interessante. Ela desenvolveu o Macfee Safe Eyes que funciona tanto para o Mac quanto para Windows. Com o aplicativo, dá para bloquear sites, vídeos e limitar o uso de redes sociais.

Mas, e se mesmo assim, você se deparar com um problema? O que fazer? Crimes virtuais acontecem diariamente e o número de novos casos tem crescido.

Apesar do cenário desafiador, tem mais  boa notícia nessa história: mesmo as gerações mais novinhas já sacaram a importância de estar protegido no mundo virtual.  

O capítulo final todo mundo talvez já conheça: a chave para qualquer boa convivência está na comunicação. Mas, como estamos aqui para ajudar, não custa lembrar as ferramentas que já falamos, como o aplicativo FamilyLink, do Google, o programa McAfee Safe Eyes e os recursos do próprio Windows e MAC. E tem mais dicas!

O Playstation possui configurações para controle parental que restringe a faixa etária em jogos, define limites mensais de consumo e até controla a comunicação com outros jogadores.

Tem muitos apps para sistemas IOS  e Android. Alguns exemplos: o aplicativo FamiSafe Kid Control permite que você tenha um rastreamento de localização por GPS em tempo real.

O NetNanny é bem popular. Ele emite alertas e notificações customizadas e fornece uma excelente ferramenta de monitoramento de mídia social.

E ainda tem o Screen Time, um aplicativo em que os pais podem realizar uma pausa instantânea para bloquear algum dispositivo e aprovar os apps antes que os filhos instalem.

A lista completa de aplicativos e ferramentas para controle parental e gerenciamento familiar você encontra no site da noticia – neste link ao lado: https://olhardigital.com.br/video/controle-parental-como-garantir-um-ambiente-seguro-para-seus-filhos-na-internet/87948


1 2