Archives outubro 2019

Pesquisadores conseguem manipular lembranças no cérebro de pássaros

Pesquisadores conseguem manipular lembranças no cérebro de pássaros

Neurônios geneticamente modificados e pulsos de luz foram usados para modificar elementos do canto dos animais

Uma equipe no Southwestern Medical Center na Universidade do Texas demonstrou como pulsos de luz podem ser usados para manipular a conexão entre neurônios e, consequentemente, criar ‘lembranças’ falsas em pássaros.

Para o estudo foram usados pássaros de uma espécie conhecida no Brasil como Mandarim (Zebra Finch nos EUA). Esta espécie aprende a cantar ouvindo e copiando o canto de seus pais, e a canção é dividida em ‘sílabas’ de comprimento variável. Os cientistas identificaram um tipo de neurônio chamado NIf que dispara no início e fim de cada sílaba e que, supunham eles, seria responsável por controlar a duração das notas.

Os cientistas então manipularam estes neurônios, inserindo genes que os tornam sensíveis à luz. Os cientistas usaram filhotes de Mandarim, que nunca tinham sido expostos à canção de um adulto, e usando fibras ópticas estimularam seus cérebros com pulsos de luz de comprimento variável.

Quando os pulsos eram curtos, os pássaros produziam canções com sílabas curtas. Quando eram longos, produziam canções com sílabas longas. Em resumo, é como se os pássaros se ‘lembrassem de uma canção que nunca ouviram, manipulada pelos cientistas. Eles acreditam que outros elementos das canções, como o tom e a sequência de sílabas, também podem ser codificadas em pulsos de luz e implantadas.

Segundo Todd Roberts, líder do grupo, os mecanismos para o aprendizado de uma canção no cérebro dos pássaros podem nos ajudar a compreender como outros animais aprendem com experiências sociais. ‘Podemos usar esta informação para identificar precisamente os ‘circuitos’ no cérebro que podem ser particularmente afetados por condições como o autismo’, disse ele.

Fonte: New Scientist

Operação policial derruba 50% do tráfego de IPTV pirata

Operação policial derruba 50% do tráfego de IPTV pirata

Sistema de gerenciamento usado por mais de 5.000 provedores atingia 50 milhões de usuários e teve impacto imediato no mercado

Recentemente, o site do Olhar Digital falou sobre como o IPTV pirata havia ganhado popularidade nos últimos anos e como as autoridades começavam a ficar mais atentas a esta prática. O resultado disso já está sendo visto: uma operação policial na Europa derrubou um sistema gigantesco de gerenciamento de IPTV chamado Xtream-Codes, deixando muitos usuários desse tipo de serviço no escuro.

A operação foi chamada de Black IPTV mirou vários alvos. Primeiramente, as autoridades foram atrás dos indivíduos por trás de um provedor de IPTV na Itália. No entanto, a ação também acabou por derrubar o Xtream-Codes, sistema que é base para vários serviços de IPTV. Estima-se que ele fosse usado por 5.000 provedores atingindo 50 milhões de usuários finais, então o seu encerramento teve um impacto imediato.

De fato, a Sandvine, empresa que produz equipamento de rede e que costuma monitorar esse tipo de tráfego, notou uma queda brutal no volume de dados que circula na internet relacionado a serviços de IPTV piratas. Em contato com o site TorrentFreak, a companhia confirmou que percebeu uma queda de 50% no tráfego de IPTV ilícito.

A operação atingiu as plataformas de IPTV no dia 18 de setembro, uma quarta-feira, mas seus efeitos só foram sentidos ao longo dos dois dias seguintes por questões técnicas. Foi neste momento, de quinta para sexta-feira, em que a Sandvine percebeu a queda drástica de 50%.

No entanto, a pirataria é comparada a uma hidra por bons motivos: corte uma cabeça e outras surgem. Os provedores logo começaram a migrar para outros sistemas de gerenciamento além do Xtream-Codes, e os serviços logo começaram a ser restabelecidos.

A Sandvine listou cinco serviços que foram completamente derrubados com a operação policial entre os dias 19 e 21 de setembro. Segundo a empresa, quase todos já estavam se recuperando no dia 21, com apenas um deles ainda inativo. Contudo, é importante notar que o mercado de IPTV pirata é consideravelmente maior do que esses cinco serviços e é difícil estimar com precisão o total de plataformas similares afetadas e quantas delas conseguiram se recuperar.