Como fazer uma limpeza no Chrome para liberar espaço no celular

Como fazer uma limpeza no Chrome para liberar espaço no celular

Recurso do Chrome para Android permite a você fazer uma limpeza manual em arquivos de sites para liberar espaço no celular. Saiba como usá-lo!

Reportagem original: https://olhardigital.com.br/dicas_e_tutoriais/noticia/como-fazer-uma-limpeza-no-chrome-para-liberar-espaco-no-celular/93753

O Google Chrome já vem instalado por padrão nos celulares com o sistema Android e é a opção de muitas pessoas para acessar a internet. Assim como outros browsers, ao navegar na internet, o Chrome acaba salvando alguns arquivos no dispositivo para facilitar o acesso a sites e outras tarefas ou ações relacionadas a eles.

Por sua vez, é claro, esses arquivos passam a ocupar um espaço considerável no dispositivo após certo tempo e nem sempre é fácil localizá-los para fazer uma limpeza. A seguir, veja como fazer uma limpeza manual dos arquivos de sites no Chrome do Android para liberar espaço no celular.

Importante

É importante ressaltar que o procedimento demonstrado abaixo não oferece riscos, mas você pode perder alguns dados de navegação como um login ou uma preferência salva para determinado site. A função utilizada no processo abaixo não está presente na versão do navegador para iOS (sistema do iPhone).

Como fazer a limpeza dos arquivos de sites no Google Chrome do Android

A limpeza manual do cache do Chrome é feita de forma bem simples, sendo realizada dentro do próprio aplicativo, mas a função fica um pouco escondida. Confira:

1. Abra o Google Chrome normalmente e toque no ícone representado por “três pontos”

Reprodução

Entre em “Configurações”, deslize a tela para baixo e, então, clique em “Configurações do site”;

Reprodução

Mais uma vez, deslize a tela para baixo e, agora, entre em “Armazenamento”

Reprodução

Toque em “Limpar armazenamento de site” e, na mensagem que surge, clique em “Limpar”

Reprodução

Se preferir remover os dados de apenas um site, toque nele na lista, selecione a opção “Limpar e redefinir”

Reprodução

Em nosso teste, ao fazer uma limpeza desses sites foi possível liberar 1GB de espaço em nosso aparelho, mas esse tamanho pode variar de acordo com o tempo que você usa o navegador. Após realizar o procedimento, você não deverá notar nenhuma mudança no Chrome, apenas o espaço disponível no aparelho estará maior.

Pronto! Agora, você já sabe como eliminar alguns dados de navegação de sites do Chrome de forma manual para liberar espaço no seu celular com o Android.

Pesquisadores provam vulnerabilidade em sistema 4G de alerta emergencial dos EUA

Uma nova vulnerabilidade em redes 4G permite que hackers criem um alerta falso e simulem uma emergência nacional. A denúncia veio da University of Colorado Boulder em testes realizados na última semana.

O grupo emitiu um alerta para um estádio lotado em que uma notificação aparece nos aparelhos dos 50 mil espectadores do local. No caso, há indicação apenas de: “Alerta presidencial. ESTE Ë UM TESTE do sistema nacional de alerta sem fio. Não faça nada”.

Segundo o documento, o grupo usou equipamento vendido no mercado e software de código aberto para conseguir mandar os avisos. De dez tentativas, nove foram bem-sucedidas.

No ano passado, o governo dos Estados Unidos criou o Alerta de Emergência Sem Fio (WEA, na sigla em inglês). A proposta é permitir que o presidente possa emitir um comunicado nacional em caso de uma catástrofe ou qualquer emergência nacional.

Atualmente, o sistema tem sido usado para emissão de alertas sobre clima e crianças desaparecidas. Contudo, ele conta com problemas. No ano passado, o governo chegou a mandar um recado errado a habitantes do Havaí informando que havia ameaça de mísseis da Coréia do Norte. A mensagem foi apenas um erro, já que o texto estava preparado para envio, mas não havia nenhuma ameaça efetiva.

O que os pesquisadores descobriram agora é que o sistema pode ser hackeado de uma forma simples, apenas identificando a torre que envia os sinais de telefone em rede 4G para os usuários. Sabendo o canal, é possível usar a plataforma para lançar um comunicado sem nem mesmo que as pessoas possam comprovar a veracidade do alerta.

Para os pesquisadores, há um “potencial alto de pânico” caso este sistema seja usado de forma errada. Para o grupo, a vulnerabilidade também não é simples de resolver. Uma vez que há identificação do canal, é possível mascarar qualquer tipo de mensagem. Assim, a solução “requer um esforço conjunto entre marcas, governo e fabricantes de smartphones” para solucionar o problema.

Junto disso, os pesquisadores da University of Colorado Boulder também informaram que uma assinatura digital poderia ajudar a melhorar a confiança das mensagens, mas não seria uma solução completa, já que nem todo usuário sabe verificar isso.

Google pode perder quase 1 bilhão de usuários se Huawei abandonar o uso do Android

Desde que o presidente dos Estados Unidos assinou o documento que proíbe a Huawei de negociar com empresas do país, uma grande aura de incerteza paira sobre o futuro da companhia chinesa. E uma das incertezas principais é sobre o sistema operacional dos smartphones da companhia, que historicamente sempre utilizaram o Android, mas, como a empresa responsável pelo sistema (a Google) tem sua sede nos Estados Unidos, há a possibilidade de os próximos aparelhos da Huawei não utilizarem mais o Android, mas sim um sistema operacional próprio.

A impossibilidade de lançar seus smartphones com o sistema Android será um problema para a Huawei mas, de acordo com o CEO da empresa, Ren Zhengfei, a Google também deverá sofrer muito com essa decisão do presidente Trump. Em entrevista para a CNBC, ele revelou que, caso a empresa seja mesmo obrigada a parar de utilizar o sistema Android em seus aparelhos, a Google deverá perder cerca de 800 milhões de usuários de uma hora para a outra, o que irá impactar em muito os negócios da companhia dos Estados Unidos.

Afinal, não podemos esquecer que a Huawei é, hoje, a segunda maior fabricante de smartphones do mundo — e caminhando para se tornar a maior. Mesmo que, num primeiro momento, esses números pareçam inflacionados, é preciso lembrar que apenas neste ano (considerando dados de até maio) a Huawei já vendeu cerca 100 milhões de smartphones ao redor do mundo, e a meta é de terminar 2019 com pelo menos 250 milhões de aparelhos vendidos.

Considerando que a empresa já vem mantendo número nesta faixa nos últimos cinco anos, e que a guerra fiscal entre os Estados Unidos e a China tem sido a melhor campanha de marketing para a empresa e aumentado a procura dela no país natal (que é, por coincidência, o maior mercado de smartphones do mundo), mesmo que os números de Zhengfei estejam inflados, as siglas reais do número de usuários perdidos não serão tão diferentes dos levantados pelo CEO.

Ainda que o bloqueio pareça estar perdendo força — com não apenas membros do gabinete do presidente mas também empresas como a Qualcomm, a Intel e a própria Google pressionando o governo sobre os efeitos negativos que este bloqueio poderá gerar para a economia do país —, a Huawei já avisou que está preparada para se adequar a um mercado onde não poderá negociar com empresas americanas, e já possui um sistema operacional próprio pronto para ser lançado ainda este ano na China — e no começo de 2020 no resto do mundo.

Ao assinar o bloqueio, Trump mostrou um mais uma vez desconhecimento sobre como funciona uma economia realmente global, onde é impossível cortar relações com uma das maiores empresas do mundo sem gerar problemas para o próprio futuro econômico do país. E, se ele não voltar atrás no banimento da Huawei, essa decisão poderá acabar coroando o seu governo como aquele que, ao tentar mostrar os Estados Unidos como superiores aos seus adversários econômicos, acabou por provar como a economia do país é dependente do resto do mundo.

Fonte: CNBC