Onde ficam armazenadas as conversas no WhatsApp? Entenda quando dados podem ser recuperados e perdidos

Onde ficam armazenadas as conversas no WhatsApp? Entenda quando dados podem ser recuperados e perdidos

Conforme matéria divulgada https://g1.globo.com/economia/tecnologia/blog/altieres-rohr/post/2021/04/20/onde-ficam-armazenadas-as-conversas-no-whatsapp-entenda-quando-dados-podem-ser-recuperados-e-perdidos.ghtml

Conversas do WhatsApp, áudios e imagens permanecem no telefone mesmo após a desativação da conta e devem ser removidas com uma redefinição do aparelho para garantir a privacidade

O WhatsApp é diferente de outros serviços de comunicação como Skype, Telegram, Instagram e Discord.

Nesses serviços, as conversas ficam armazenadas na “nuvem” e associadas à sua conta. No WhatsApp, somente os grupos pertencem à conta. As conversas dependem do backup, que é separado da conta.

Enquanto a proteção da conta é importante para garantir o seu acesso ao serviço, limitar o acesso ao aparelho e o backup, no caso do WhatsApp, é essencial para resguardar as suas conversas.

É importante entender que o “número do WhatsApp” e o número do seu telefone são coisas separadas. Pode parecer confuso, já que você usa o mesmo número de telefone no WhatsApp e para chamadas, mas, infelizmente, é algo que precisa ser compreendido.

Quer fazer um teste? Retire o chip do seu celular e coloque em outro aparelho. Ligue o seu telefone. Você vai continuar usando o WhatsApp no aparelho antigo pelo Wi-Fi, ou até com um chip novo e outro número, mas seu WhatsApp continuará “atendendo” no número antigo.

O WhatsApp não vai “reclamar” se o aparelho estiver com um número diferente do ativado. As mensagens que você vai receber no WhatsApp serão as enviadas para o número antigo.

Você só vai perder o acesso se o WhatsApp for registrado com aquele número em outro aparelho, porque o WhatsApp não aceita estar instalado em dois celulares com o mesmo número. A nova ativação fará com que o antigo seja desconectado.

Também é preciso entender que o WhatsApp armazena as conversas no aparelho. Não tem a ver com o número, porque as conversas estão todas no próprio smartphone. Você tem a opção de salvar um backup na nuvem, mas isso é só uma cópia das informações locais.

Então, fazer portabilidade ou qualquer mudança no chip não vai apagar ou retirar o acesso pleno às suas conversas.

Se as mensagens estão sempre armazenadas localmente no celular e há um backup opcional em nuvem, temos as seguintes conclusões:

  • Instalar outro chip (trocar de número) não remove suas conversas do WhatsApp. As mensagens ficam armazenadas no aparelho.
  • Ativar o seu número no WhatsApp em outro aparelho não remove as mensagens do aparelho antigo, porque elas estão armazenadas localmente naquele aparelho.
  • Trocar de celular (seja com o mesmo chip ou outro chip com o mesmo número) não vai recuperar as mensagens do telefone antigo. É obrigatório realizar o backup (para Google Drive, no Android, ou iCloud, no iPhone) e restaurar esse backup.
  • Trocar de chip (mas não de celular) não vai apagar suas mensagens, porque elas continuam armazenadas no seu aparelho. Você pode utilizar a opção “Trocar de número” do WhatsApp para migrar sua conta e reativar o WhatsApp em um novo número
  • Migrar de celular de um aparelho Android para iPhone ou vice-versa e manter suas conversas no WhatsApp pode ser um desafio, porque o backup não estará disponível em nuvem (o backup do Android fica no Google Drive, mas o WhatsApp do iOS vai procurá-lo no iCloud). Caso o acesso a mensagens em vários sistemas seja desejável, o blog recomenda usar um app de conversas com armazenamento em nuvem dedicada, como Messenger, Telegram, Discord, Skype ou Instagram. Lembre-se, porém, de proteger a sua conta (usuário e senha) para evitar qualquer acesso indevido.
  • Não é possível ‘apagar mensagens’ em um celular antigo a partir do WhatsApp ativado em um celular novo porque o WhatsApp salva as conversas apenas no próprio aparelho e não é possível que o WhatsApp esteja ativado com o mesmo número em dois aparelhos ao mesmo tempo.

Se você não deseja perder suas mensagens do WhatsApp, é obrigatório usar o backup das conversas e a opção “Trocar de número” sempre que você comprar um chip com um número diferente.

Sem isso, o backup pode ficar inacessível e as mensagens antigas serão perdidas.

Por outro lado, celulares antigos devem ser redefinidos para os para os padrões de fábrica (também chamado de limpeza de dados ou restauração de sistema) para apagar todos os apps e dados. Apenas isso vai ajudar a manter suas conversas antigas sob sigilo.

Se você não usar a opção 'Mudar número' do WhatsApp após trocar de chip, aplicativo continuará ativado com o número antigo. — Foto: Reprodução
e você não usar a opção ‘Mudar número’ do WhatsApp após trocar de chip, aplicativo continuará ativado com o número antigo. — Foto: Print Compuword

Dar, vender ou ceder um aparelho usado sem realizar uma limpeza de dados com a redefinição de sistema pode permitir que o novo dono do aparelho recupere dados antigos, sejam eles fotos, mensagens ou até áudios do WhatsApp.

Lembre-se também do seguinte: mesmo que alguma informação não esteja disponível (porque o WhatsApp foi desinstalado, por exemplo), isso não significa que os dados desapareceram do smartphone. Muitos arquivos podem ser recuperados ou lidos com ferramentas específicas.

A redefinição de sistema é sua única ferramenta confiável para tentar evitar que dados sejam recuperados do smartphone.

Brecha em servidor da Adobe expõe 7.5 milhões de usuários da Creative Cloud

Em mais uma grave brecha de segurança, a Adobe foi a responsável pela exibição dos dados de 7,5 milhões de usuários do Creative Cloud, sua suíte de aplicativos na nuvem. O número é equivalente a metade da base total de assinantes da plataforma, que tiveram vazados e-mails, datas de criação de contas, produtos adquiridos e com assinatura corrente, status de pagamento, IDs e países, além de indicadores caso fossem funcionários da própria desenvolvedora de software.

A falha foi descoberta pela Comparitech, uma empresa de segurança da informação, e informada à Adobe no dia 19 de outubro, tendo sido corrigida rapidamente. Ainda assim, não dá para saber por quanto tempo o servidor que disponibilizava os dados ficou aberto, permitindo o acesso e a visualização dos dados sem a necessidade de senhas ou qualquer outro tipo de autenticação.

Em comunicado, a Adobe disse que a falha aconteceu, especificamente, em um ambiente de prototipagem. Mais uma vez, o problema se deu por conta de uma má configuração de servidores ElasticSearch que, como o nome já indica, entrega uma solução de pesquisas em banco de dados, que funciona na nuvem e com código aberto. É uma ferramenta bastante usada por empresas de tecnologia, mas também, uma alternativa costumeiramente responsável por vazamentos desse tipo quando não configuradas corretamente pelos responsáveis.

De acordo com a Comparitech, como a data em que a brecha se tornou disponível é desconhecida, também não dá para saber se terceiros tiveram acesso não autorizado a ela. Entretanto, a empresa de segurança tranquiliza os usuários, uma vez que dados confidenciais, senhas ou informações financeiras não estavam disponíveis nos servidores, o que torna a brecha um pouco menos perigosa.

Ainda assim, o alerta é para que os assinantes da Adobe Creative Cloud permaneçam atentos, principalmente, a e-mails fraudulentos que possam tentar se passar pela companhia para solicitar credenciais de acesso ou senhas. O olho deve permanecer vivo, também, quanto a outros serviços que compartilhem o mesmo endereço de correio eletrônico, já que eles também podem ser alvo a partir de outros bancos de dados vazados, esses sim, contendo senhas.

A recomendação é que a autenticação em duas etapas seja ativada em todos os perfis de usuário ou, pelo menos, naqueles mais importantes. A medida adiciona um passo adicional ao processo de login, o que faz com que vazamentos como estes se tornem menos preocupantes, uma vez que, mesmo tendo a senha, os hackers não seriam capazes de acessar uma conta.